Pular para o conteúdo principal

Autora de 'Diário de Classe' vive seu terror particular depois de denunciar o estado da educação em sua escola


As ameaças contra a autora de 'Diário de Classe'

Por Marco Antonio L.
Da Folha de S.Paulo
Depois de criar o "Diário de Classe", diário virtual em que relata os problemas da escola pública onde estuda, a catarinense Isadora Faber, 13, viu sua vida mudar.
Na escola, enfrenta ameaças de alunos e funcionários. Os pais não a deixam mais sair sozinha. "Tem gente que diz que vai me bater", conta.
Em entrevista à Folha, a aluna da 7ª série da escola municipal Maria Tomázia Coelho, de Florianópolis, fala sobre sua rotina (que inclui duas horas diárias para ver os comentários da página) e as represálias que sofre.
*
Folha - Você criou o "Diário de Classe" em julho. Como vê o resultado hoje?
Isadora Faber - Fico muito feliz com o resultado e um pouco triste com o jeito que alguns alunos agem em relação a isso, porque veio muita coisa boa para a escola. Mas os professores contam para eles que estou fazendo uma coisa ruim, que eles têm que tomar uma providência.
O que esses alunos dizem?
Tem bastante aluno que me xinga, que diz que vai me bater, me pegar na saída. Mas não tenho medo porque meus pais estão sempre lá.
Sua rotina mudou?
Antes eu podia sair sozinha. Agora, não. Meus pais estão preocupados. Na rua, bastante gente me olha com cara feia. E alguns vêm me dizer parabéns pela coragem.
Hoje, o diário tem mais de 370 mil seguidores. Você imaginava essa repercussão?
Minha intenção era só mostrar como as escolas públicas eram por dentro. Eu fiquei surpresa e feliz quando começaram as reformas.
Há alguma coisa que ainda precisa melhorar por lá?
Falta pintura na escola inteira. A diretora disse que iam pintar, mas o pintor nunca apareceu. E já faz dois anos.
Sua casa foi apedrejada na segunda-feira. Como foi isso?
Estávamos no pátio, e começou a vir pedra, uma na grama, outras no carro. Uma acertou a minha avó, que não fala nem anda. Eu e minhas irmãs corremos para dentro. Meu pai foi ver quem estava jogando, mas não deu tempo, porque minha avó estava sangrando. Fiquei com um pouco de raiva.
Você acha que o ataque está relacionado ao diário?
Bah, com certeza. É muita gente me ameaçando.
Como são as ameaças?
A maioria vem da filha do pintor [da quadra, a quem Isadora criticou no Facebook por não ter feito o serviço] e das amigas dela. Elas falam que vão me bater, que vão me pegar na rua.
A diretora faz alguma coisa?
Às vezes ela chama todo mundo para conversar, mas nunca resolve.
Como você reage?
Dependendo da ameaça, meu pai faz BO [boletim de ocorrência]. E eu tento não dar bola. Fico quieta.
Em setembro, você foi à delegacia depois que uma professora reclamou de uma postagem sua...
Ela nem me olha. Se eu tiver alguma dúvida, até posso perguntar, mas é bem difícil.
Algum professor lhe dá apoio?
Não. Nenhum.
E os colegas?
Os da minha sala são os que mais dão apoio. Mas os outros da escola, não.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…