Pular para o conteúdo principal

Por que os jornalões estão fechando?

Rudá Ricci

Ainda sobre o fechamento do JT

Deixei de comentar um outro impacto sobre a grande imprensa: a perda de importância do consumo da classe média tradicional. Com a emergência do mercado consumidor de massas no Brasil contemporâneo (fenômeno acentuado na última década), os editoes entraram em parafuso. Um investidor teria qual ganho com as publicações tradicionais? Atinge o consumidor de elite com jornais diários? Ou arrisca ampliar seu mercado e conquistar o consumidor de baixa renda que se revela mais voraz e fiel? Se opta pelo consumidor popular de massas, os impressos perdem interesse porque este consumidor não lê. Rádio e TV ou mesmo contato direto nas ruas são mais promissores. Nos anos 1990 (em especial, no final da década), parte da grande imprensa já tentava dar uma guinada para uma linha editorial mais popular, caso do Extra (RJ), Agora São Paulo (SP), Folha de Pernambuco (PE), Primeira Hora (MS), Notícia Agora (ES), Expresso Popular (SP), Diário Gaúcho (RS). Super Notícia e Agora surgiram em Minas Gerais. Dez jornais populares de grande ciruclação lideram as vendas no Brasil. Segundo a Marplan, Extra lidera com 3 milhões de leitores. O JT tentou entrar nesta fatia, mas capitulou.
Enfim, sem verbas publicitárias e se limitando ao leitor tradicional da grande imprensa que não é mais tão atrativo aos investidores privados como no século passado, a grande imprensa escrita morde seu próprio rabo. Parafraseando a mensagem implícita da ilustração desta nota, a elite dos 500 jornais impressos do país se cristaliza como o "eterno imutável".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…