Pular para o conteúdo principal

O famoso convite da Acirp


Política
 
› Documento
São José do Rio Preto, 4 de Outubro, 2012 - 7:20
Regra de debate previa 10 convites por candidato

Alexandre Gama

Arquivo
Documento confirma versão de prefeituráveis de que poderiam levar apenas 10 assessores para plenária na Acirp
Documento da Associação Comercial e Industrial de Rio Preto (Acirp) com as regras da plenária promovida pela entidade confirma a versão de que cada candidato a prefeito poderia levar no máximo 10 acompanhantes para o encontro realizado na última terça-feira. Regra que não teria sido respeitada e motivou a debandada dos prefeituráveis de oposição a Valdomiro Lopes (PSB), que levou entre 100 e 200 simpatizantes para o debate.

“O público da reunião será formado por empresários associados à Acirp, mediante apresentação de convite. Cada coligação tem direito a 10 convites para participação no evento”, diz regra entregue pela presidente da entidade, Adriana Neves, aos candidatos.

Ontem, a presidente da entidade afirmou que a entrada para o evento era livre. “Enviamos os 10 convites para o candidato usar como deferência especial para alguém. Não estabelecemos que o convite era imprescindível”, afirmou Adriana, que se disse “chateada” e “abalada” com o ocorrido.

Ela afirmou ainda que a entidade disponibilizou três seguranças - dois homens e uma mulher - para impedir a entrada de bandeiras, instrumentos de músicas e apitos no auditório. “Mas não tinha como checar se a pessoa era empresário ou correligionário.” Adriana suspeita que os quatro candidatos que debandaram - Maurício Bellodi (PV), João Paulo Rillo (PT), Manoel Antunes (PDT) e Marcelo Henrique (Psol) - “aproveitaram o episódio para criar um fato.” “Todos tinham mais de 10 assessores lá.”

Repercute

Ex-presidente da Acirp, Bellodi rebateu a versão da sua sucessora, a quem apoiou. “Cada candidato recebeu 10 convites. Eu fui com quatro assessores. O Valdomiro levou pelo menos 100, alguns uniformizados. A gente começava a falar e vaiavam. Não tinha condição. Se era para levar claque tenho cabo eleitoral contratado. Poderia ter levado”, afirmou ele, que não acredita em má-fé da Acirp. “Prefiro acreditar que tiveram dificuldade em controlar a entrada.”

“Sou cumpridor de regras. Tem um documento que diz o contrário. Se resolveu tornar aberto deveria ter nos comunicado”, continuou o verde.
Rillo considerou a plenária “um grande circo armado” para Valdomiro. “Não foi em nenhum debate e infelizmente deu essa mancada.

Não tinha a menor condição de conversa. Não tinha nem empresário lá para debater.” O mesmo disse Marcelo. “A própria Acirp não cumpriu a regra que criou. O próprio Bellodi, ex-presidente, se sentiu desconfortável. O acompanhamos.” Valdomiro e Antunes não se manifestaram sobre a polêmica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…