Pular para o conteúdo principal

Haddad abre 17 pontos sobre Serra (Datafolha)


Haddad abre 17 pontos sobre Serra (Datafolha) Ruda Ricci

O Datafolha confirmou o dado já divulgado pelo IBOPE: Serra cai desastrosamente. Regiões leste, sul e parte da norte dão o conforto ao candidato lulista. Serra encolhe ao destino regional dos tucanos.
Há várias observações a serem feitas sobre esta tendência:
1) Se ela se confirma, revela um desastre para PTB e PPS, que assumiram descaradamente a vinculação com o serrismo. Outros partidos se vincularam ao candidato tucano, mas sem alarde. Queda livre para Campos Machado e Roberto Freire;
2) Serra, se perder da maneira que se desenha, acaba politicamente. Perder duas vezes para desconhecidos (Dilma e Haddad) catapultados por Lula é uma humilhação que destrói qualquer reputação política;
3) Se assim for, Serra sai da política como um personagem menor, sem estofo, sem história, irritadiço, que na adversidade apela para o fundamentalismo religioso e para o que há de mais recôndito na alma brasileira;
4) A grande imprensa paulista revela seu divórcio com o grande público. Os editorialistas, como já afirmei neste espaço, se alimentam de um passado em que a classe média tradicional, compradora de suas publicações, formava opinião. Não forma mais. O apartheid cultural entre ela e os estratos de renda abaixo dela parece um fosso medieval. Os editores se recusam a compreender este fenômeno, como se estivessem se jogando ao populismo. Na verdade, revelam despreparo profissional ou acomodação à mesmice editorial. Em muitos casos, acomodação ao padrão de financiamento. O rabo preso com o eleitor padrão e seus financiadores fazem os editores brigarem com os fatos;
5) O mensalão não significou nada em termos eleitorais. Outro divórcio no país. Pauta moralista ou temas vinculados à corrupção não definem comportamento eleitoral ou político dos brasileiros. Uma desgraça que se instalou a partir da prática mais comezinha dos políticos tupiniquins. Como se o eleitor perguntasse: "querem que eu acredite que algo mudou de verdade?".
Abaixo, a parte inicial da matéria da UOL:



Haddad abre 17 pontos de vantagem sobre Serra, aponta Datafolha


DE SÃO PAULO
A dez dias do segundo turno das eleições municipais, o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, abriu 17 pontos de vantagem em relação ao seu adversário, o tucano José Serra. Pesquisa Datafolha finalizada ontem mostra Haddad com 49% das intenções de voto totais contra 32% de Serra. Brancos e nulos somam 10%. Outros 9% dizem que não sabem em quem votar. Na conta dos votos válidos (sem brancos e nulos), Haddad tem 60%; Serra, 40%.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…