Pular para o conteúdo principal

Eleições em Rio Preto: primeiras impressões


Luciano Alvarenga


Destarte os acordos firmados entre o PT e PMDB Estadual e Federal, é possível que o grande derrotado destas eleições tenha sido o deputado federal Edinho Araújo, segundo já afirmou no Facebook Damaris Irae Jacometti. O grande vitorioso certamente o prefeito Valdomiro Lopes. Mas sobre quem mais pesa dúvidas é João Rillo.
O eleitorado do Edinho não migrou, como alguns esperavam, para a candidatura do petista. O eleitorado do Edinho manteve o apoio ao Valdomiro. Edinho migrou para o Rillo, mas seus eleitores não. Valdomiro se tornou herdeiro de todo um conjunto de projetos e obras iniciadas nos tempos do Edinho e que agora fatalmente terão nova paternidade.
Rillo sai da campanha sem identidade. Diferente de 2008 quando perdeu, mas não saiu derrotado, agora perde de forma contundente, apesar da votação significativa, com muitas pontas soltas em seu repertório político, como é exemplo a companhia de seu ex desafeto Edinho Araújo. Perder no primeiro turno demora um pouco mais para digerir.
Mané foi mais importante para o Rillo em 2008 do que Edinho agora. Valdomiro conseguiu transformar uma candidatura desacreditada em 2008 em uma força política agora. Terá que lidar com os Vaz de Lima.
Bellodi conseguiu o inimaginável para um out sider na política, mas não conseguiu se consolidar como Terceira Via. E há explicações para isso. Seu futuro dependerá de como irá tecer o pós eleição.
Mané passou. Seu último ato foi em 2008 quando fez João Paulo chegar ao segundo turno. Se tivesse encerrado sua carreira ali, terminaria num grand finale, tendo em vista as circunstâncias. Preferiu mais uma cena e...
Marcelo Henrique ficou metade da campanha criticando o Rillo e no fim percebeu que o adversário da esquerda era o prefeito. As razões do PSOL preferir ter candidato a prefeito, sem nenhuma viabilidade eleitoral, à reeleger seu mais importante nome político na cidade, o vereador Pedro Roberto, é inexplicável. Trocaram o nós pelo eu. Deixaram o protagonismo da oposição no Legislativo nas mãos do PT.
Por ora é isso. Luciano Alvarenga, Sociólogo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…