Pular para o conteúdo principal

Das verdades sobre as Eleições em Rio Preto


Luciano Alvarenga

Das 17 cadeiras no legislativo, 10 foram renovadas. Mas o prefeito foi eleito com quase 60% dos votos no primeiro turno. Renovação na Câmara, mas não no Executivo.
Como explicar que depois de dezenas de escândalos, inquéritos, denuncias, manchetes de jornal, zilhões de bits de discussão na internet o prefeito seja eleito da forma contundente como foi?
Escândalos, manchetes de jornal e discussão de internet não afetam a vida diária da população, obras às vezes sim. Aqui temos dois cenários. O primeiro é que as obras e projetos realizados convenceram o eleitor que reelegeu o prefeito como um gesto de escolha natural para um governo que ele aprova. Segundo, ninguém conseguiu dizer por que seria melhor trocar o prefeito.
O prefeito fica os vereadores saem. Isso significa que a população pode ter entendido de fato o que é uma coisa e o que é outra. Já há algum tempo que não me convenço com essa ideia do eleitor alienado. A maioria do eleitorado entende exatamente o que está acontecendo, mas também tem seus interesses; pessoais e de grupo.
As necessidades do cidadão são imediatas e ele vota de acordo com elas. Vota com um olho no atendimento de suas demandas objetivas e urgentes e, com outro na esperança de que as coisas mudem. Foi o que aconteceu nessa eleição em Rio Preto.
Os nomes que se lançaram a prefeito na cidade foram grandes ausentes ao longo dos 4 anos anteriores a eleição. Tudo o que se acusou e se vociferou durante o processo eleitoral foi solenemente deixado de lado pelos, até agora, candidatos a prefeito. Melhor dizendo, onde estavam os candidatos quando todas as coisas, que nessa eleição mencionaram, aconteciam?
Nada. Nenhuma linha, nenhuma fala, nenhum protesto. Ficamos todos - não candidatos - discutindo, denunciando, sendo perseguidos em função dos tristes episódios que assistíamos boquiabertos acontecerem, enquanto nossos nobres candidatos a prefeito viviam alguma coisa em algum lugar.
Digo isso apenas para enfatizar que o eleitor não é o responsável pelos resultados que não vieram. O eleitor, esse sim o que vive na carne a realidade seja ela qual for, disse na urna sem medo o que seus lideres não disseram nas tribunas e nos jornais.
Luciano Alvarenga, Sociólogo

Comentários

dan disse…
Já tive a oportunidade de me manifestar a respeito da composição da câmara cuja diplomação de seus componentes se dará no início de 2013. O que devemos fazer, desde já, é levar à população que votou em cada um dos eleitos para desempenharem suas atividades, ou seja, votamos para que eles verearem e não os que, por ardil de suplência, venham a ocupar o cargo contra nossa vontade. Votamos e os queremos vereando e não secretariando. é tudo ou nada. Nós nos faremos presentes na movimentação para tanto.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…