Pular para o conteúdo principal

Último Censo indica que 20% das cidades antigiram o pleno emprego


Segundo índice, taxa de desocupação em mais de mil municípios do país é menor que 3,5%

Publicado:
Atualizado:

Paulo Roberto de Oliveira, 23, se mudou de São Paulo para Blumenau, onde trabalha na indústria têxtil
Foto: Agência O Globo / Foto: Paula Giolito
Paulo Roberto de Oliveira, 23, se mudou de São Paulo para Blumenau, onde trabalha na indústria têxtilAGÊNCIA O GLOBO / FOTO: PAULA GIOLITO
BLUMENAU e RIO - “Não, não, definitivamente não conheço nenhum desempregado”, disse André Thiago Hass, de 24 anos, fazendo esforço para lembrar de algum conhecido sem trabalho. Formado em sistemas de informação, o jovem é apenas mais um dos milhares que trabalham com tecnologia na charmosa Blumenau (SC). Como falta gente com qualificação, André — da mesma forma que Júlio, Robson ou Lucas — é disputado. Mas essa escassez de pessoal chega também a setores catarinenses mais tradicionais, como o têxtil. Assim, diversificando as atividades, a cidade atingiu o que muitos chamam de pleno emprego. Blumenau, porém, com sua desocupação em 2,74%, não está só: há outras 1.132 cidades, 20% das 5.565, com taxa abaixo dos 3,5%, segundo dados do Censo 2010.
— Uma a cada cinco cidades tem desocupação abaixo de 3,5%, um patamar baixíssimo. É um indicador, ainda que pouco usado para medir a desocupação, que expressa uma espécie de pleno emprego. Essas taxas refletem o auge do emprego em 2010. De todo jeito, se um censo fosse elaborado agora, não me surpreenderia se viesse com taxas menores — disse João Saboia, professor do Instituto de Economia da UFRJ.
Desemprego zero é o que se vê em Serra da Saudade, em Minas. Pequenina, a cidade mineira é a menos populosa do seu estado (menos de mil pessoas) e sua atividade gira em torno de agropecuária. Entre os mais de mil municípios com pleno emprego, há outras centenas de tamanho reduzido e de baixa relevância para o PIB. Mas também há Jaguará do Sul (com indústrias de confecções, metal-mecânicas e alimentos) ou Brusque (setores têxtil e metal-mecânico, além de turismo) em Santa Catarina; ou Nova Serrana (calçados), em Minas; ou Santa Cruz do Capibaribe (confecções), em Pernambuco. No Rio, a única praticamente sem desemprego é Sumidouro, a menos de 200 km da capital.
— O crescimento é o que melhor explica essa fotografia do Censo. Políticas públicas, como de transferência de renda, aumento do salário mínimo, contribuíram para que o desemprego atingisse um patamar baixo — explicou Cláudio Dedecca, professor de Economia da Unicamp, acrescentando que o envelhecimento da população também mexe com as estatísticas. — Não se pode ignorar que muitas dessas mil cidades podem ter baixa atividade econômica (sem emprego, as pessoas não procuram trabalho), ser cidades dormitórios ou ter muitos inativos.
O Censo é o único indicador que traz dados de todas as cidades, ao contrário da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) com informações de regiões metropolitanas. O Caged, que traz o saldo dos empregos formais, aponta para uma desaceleração por causa da crise externa. De janeiro a junho de 2010, foram criadas 1,63 milhão de empregos, ante 1,04 milhão até junho de 2012. Vagas são abertas, mas num ritmo menor.
*Enviada especial


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/ultimo-censo-indica-que-20-das-cidades-antigiram-pleno-emprego-5693175#ixzz22gT4v0Lq
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…