Pular para o conteúdo principal

O abandono da Educação


O limite a que chegou a Educação
A Educação não é uma prioridade em São Paulo em nenhum nível. A ideia é levar as escolas a todos sem que isso signifique o desenvolvimento de um projeto que tenha na educação seu centro. As escolas plantadas nas cidades parecem museus a céu aberto. Cada parede mal pintada, cada quadra poliesportiva semiabandonada, cada palco mal feito revelam os inúmeros projetos falidos desenvolvidos pelos inúmeros governos Estaduais e, nesses últimos anos, a falta completa deles.
A moda agora são os índices de aprendizagem e, colados neles, os bônus pagos às escolas e professores que atingirem as metas. O famoso e ao mesmo tempo muito controverso Saresp é um deles. A ideia é que por uma mágica cada professor consiga por meio do “estímulo” Saresp, fazer aquilo que até então não havia conseguido fazer com seus alunos. Na realidade nada mudou nas escolas, nada mudou nos métodos, nada mudou no formato, nada mudou em lugar algum, pelo menos significativamente e de maneira que se possa realmente esperar que algo diferente aconteça.
O que se observa ao visitar escolas, professores, diretores e alunos (e já visitei dezenas de escolas e centenas de alunos) é a mais completa evidencia de que toda essa firula de Saresp, bônus, aprovação automática e tantos outros malabarismos é apenas isso, circo. A ideia é criar movimentos novos, mais rápidos, e esteticamente bonitos, mas que ao fim e ao cabo não chegam a lugar algum. A escola paulista é uma mentira. A abertura cada vez maior e por um numero maior ainda de cidades, das Fundações Casa, é a contraprova de que a Educação não é o foco.
 Aliás, há de se perguntar se a escola mesma não é apenas uma ante sala da Fundação Casa. A discussão agora em andamento, e já defendida por grandes veículos de comunicação, em estender o tempo máximo de permanência dos menores internos de três anos para dez, aponta com clareza que o principio norteador da política estadual com relação à juventude é o do encarceramento forçado. Forçados a estar numa escola sem perspectivas por anos a fio acabam muitas vezes, por forças das circunstâncias, a passarem outros tantos anos na F. Casa.
A situação é tão surreal nas escolas que muitos professores já admitem abertamente aos seus alunos que tudo não passa de mentira, e precisam admiti-lo ao custo de parecerem esquizofrênicos se não o fizerem. A educação em São Paulo não existe. Escola é perda de tempo e o numero inflacionado de desistência escolar é uma prova contundente dessa falência. A evasão só não é maior por que a Escola fornece almoço e janta todos os dias, além de aprovação garantida. O que estamos vendo é o problema se desdobrando sobre si mesmo criando uma situação absurda. Alunos mal formados, mal preparados entrando no ensino universitário particular ou público, mais naquele do que neste, fazendo cursos universitários vazios, sem direção, sem cobrança, sem resultado onde o fim de tudo são profissionais que não conseguem dar conta de se estabelecer no mercado em função de sua formação. Empresas que cada vez mais criam seus próprios cursos universitários para formar seus próprios empregados é um dado dessa realidade.
Uma educação tecnicista voltada para o aprendizado de um conteúdo inútil que nada serve para criar autonomia e preparo para a vida, isso é a base e o suporte do ensino paulista. Por fim, perto de sediar o mais importante encontro de esportes do planeta, as Olimpíadas no Brasil são tratadas como se isso nada tivesse haver com Escola e Estudantes.
Luciano Alvarenga, Sociólogo e Mestre em Economia pela Unesp
facebook – Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…