Pular para o conteúdo principal

Em nome do futuro, o Rio está destruindo seu passado, diz NYT


Qual será o legado do Rio-2016. Foto: Marcelo Cortes/Foto Arena/AEPor Fernando Figueiredo Mello
Em artigo publicado no domingo, o jornal americano "The New York Yimes" questiona a forma como o Rio de Janeiro está se preparando para as Olimpíadas de 2016. O artigo, assinado por Theresa Williamson e Maurício Hora, cita a comunidade do Morro da Providência para exemplificar a maneira como as autoridades lidam com as populações mais pobres na cidade.
"As Olimpíadas de Londres terminaram no domingo, mas a batalha dos próximos Jogos já começou no Rio, onde aumentam os protestos contra despejos ilegais de moradores mais pobres. Na verdade, as Olimpíadas do Rio estão prestes a aumentar a desigualdade em uma cidade já famosa por isso."
Assim começa o artigo, que depois conta um pouco da história da favela da Providência, formada em 1897, por ex-combatentes da Guerra de Canudos, além de imigrantes europeus e escravos livres. O local é um dos mais importantes da história afro-brasileira, dos primeiros sambas compostos e de tradições negras importantes. Hoje, segundo o NYT, 60% dos moradores são negros.
Com as obras para as Olimpíadas, um terço da comunidade está ameaçada. De acordo com o texto, "até o meio de 2013, Providência terá recebido R$ 131 milhões em investimentos, em projeto liderado pela iniciativa privada de revitalizar a area portuária do Rio, que incluem bondinhos, trens e vias mais largas. Prévias intervenções da Prefeitura para melhorar a comunidade reconheceram a sua importância histórica, mas os novos projetos não têm intenções nesse sentido."
No entanto, 30% da população da comunidade será despejada do local, sem ser avisada. "Casas são marcadas com spray durante o dia, com as iniciais da secretária de habitação, e identificadas com um número. Moradores voltam do trabalho e descobrem que suas casas serão demolidas, sem aviso do que vai acontecer e quando", diz o texto do NYT.
Pressão de grupos de direitos humanos e da mída internacional ajudaram, segundo o NYT, mas os despejos devem continuar. As autoridades dizem que as realocações são necessárias, devido ao risco de deslizamento ou superpopulação da comunidade. Mas, 98% das casas da Providência são feitas com tijolo ou concreto e 90% têm mais do que três quartos. Além disso, um importante estudo feito por engenheiros locais mostrou que os riscos anunciados pela cidade são imprecisos e inadequados, conforme a matéria do jornal americano.
O artigo termina com um alerta. "O Rio está se tornando um quintal para os ricos, e a desigualdade produz instabilidade. O custo-benefício seria maior se os investimentos nas melhorias urbanas fossem realizados por meio de um processo de participação democrática. Isso iria fortalecer a economia do Rio e melhorar sua infraestrutura, assim como reduziria a desigualdade e daria força para a população negra, ainda marginalizada na cidade".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…