Pular para o conteúdo principal

Ocaso da Educação Universitária


Caiu o pau do galinheiro
A realidade que apenas se anunciava anos atrás chegou até o professor universitário das faculdades particulares. Ganhando mal, trabalhando muito, lidando com classes numerosas, na maioria dos casos sem registro em carteira, ou, com registro salarial subestimado e trabalhando em várias instituições convive ainda com a alta rotatividade na profissão, uma vez que quem não se enquadra é posto na rua.
A situação geral do professor nas instituições particulares, com as exceções de sempre, é hoje muito parecido com a do professor de escola pública secundária. Coisa não imaginada pelos docentes que iniciaram suas carreiras nos anos 1990. Com o PROUNI e outras bolsas de estímulo ao aluno carente, o alunado das IES particulares é formada em sua maioria por alunos provenientes do ensino público.
As muitas mudanças nas regras do MEC nas últimas duas décadas voltadas para estas instituições resultaram num quadro de docentes mal formados, muitos sem nenhum curso de pós-graduação seja de que tipo for, quem paga a conta final é o aluno. Com cara de caça níquel, com professores de tipo funcionário sem importância, o quadro das conhecidas faculdades particulares é desolador.
Aqueles que se formaram nestes últimos anos e sem nenhuma expectativa profissional, foram cooptados pelas IES e se transformaram em professores. Aqueles que se formaram em instituições de ensino publico, fizeram mestrado e doutorado estão desesperados com a situação. Com uma titulação desvalorizada, sem lugar no mercado, e incapazes de fazerem outra coisa que não serem docentes como é a situação da maioria (tendo em vista que foram formados para isso), o que estamos assistindo são profissionais, muitas vezes competentes, aceitando qualquer coisa para se manterem no mercado de dar aula.
Quem conseguiu antever os novos tempos quando estes ainda não se mostravam inteiramente, partiram para outra, caso tivessem talentos e competências que possibilitassem a migração. Quem fechou os olhos ou não teve tino para ver o cenário se desenrolando está numa situação difícil. Só sabem dar aulas, sem contatos profissionais extras salas, inseguros sobre uma aventura de mudar de carreira sem certeza de alcançarem a outra margem do rio, acabam aceitando as condições e concorrendo com novos professores que, para piorar a realidade, acham que o salário aviltado que as instituições pagam está de ótimo tamanho.
O resultado óbvio deste quadro já podemos acompanhar pela imprensa com certa regularidade, os casos cada vez mais comuns de profissionais cometendo todo tipo de erros e descasos resultantes da péssima formação que tiveram ou, desmotivados para serem tudo o que podem como professores. O resultado são alunos cada vez mais insatisfeitos com a formação que recebem ou incapazes de perceber como ela é ruim. Luciano Alvarenga, Sociólogo e Mestre em Economia pela Unesp.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…