Pular para o conteúdo principal

PSDB paulistano perde 46% dos filiados em 4 anos


PSDB paulistano perde 46% dos filiados em 4 anos

Não é só o PT que tem problemas na capital paulista. O PSDB tinha 42,5 mil filiados em São Paulo em junho de 2008. Hoje, tem apenas 22,8 mil. PTB e PT registraram, respectivamente, aumento de 29% e 44% no período, respectivamente.
Há três fatores que competem para esta situação, no meu entender: a) desgaste natural dos tucanos a partir do ciclo tão longo de governo no Estado; b) a disputa interna entre Serra e Alckmin; c) o cerco do lulismo.
Penso que o desgaste dos partidos deverá ser crescente nos próximos anos. Somente 8% da população brasileira crê nesta forma de organização política. As estruturas partidárias foram criadas no século XVIII. No século XIX tomaram a forma atual, com programas permanentes, militância estável, organização de massa e estrutura burocrática. Vivemos uma outra etapa histórica, com interesses sociais segmentados, grande mobilidade social, crises cíclicas mais constantes, engajamento pontual e, principalmente, o advento das redes sociais. As redes são estruturas inacabadas (minha tradução livre para structural holes), móveis, onde a adesão é individual e nunca subordinada a uma liderança ou hierarquia. Os partidos políticos não conseguem acompanhar esta lógica de engajamento social. Para piorar, se estruturam aceleradamente como empresas eleitorais, departamentalizados, sem enraizamento no cotidiano dos cidadãos. Procuram entender os desejos e fabricar uma linguagem típica de marketing, demonstrando estarem apartados da lógica social. Sem vasos comunicantes com as ruas, só resta gastarem fortunas em pesquisa e marketing. Portanto, não lideram, não alteram a cultura política, mas tentam se orientar por ela. Este divórcio parece ainda mais radical na medida em que há forte promiscuidade dos partidos com o mercado, deixando a dimensão cultural (dos valores, das crenças, dos desejos e aspirações) do outro lado da porteira.
Rudá Ricci

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…