Pular para o conteúdo principal

PRB: elo da Universal com o Mané




O fato mais importante da eleição até agora é o apoio do PRB ao Manuel Antunes. O que significa dizer um adentro de alguma dezena e meia de pastores que certamente entrarão fortemente na campanha. Estamos falando da igreja Universal e da logística que ela pode fornecer, não apenas em termos de mão de obra pra a campanha, que não é pouco, mas principalmente, apoio de púlpito. 
O apoio indireto da Universal via PRB reposicionou a candidatura de Manuel Antunes na disputa. Até então era apenas o velho Mané com seus problemas de dinheiro, agora é o Mané com seu histórico eleitorado e com a possibilidade de surpreender. Mané é político a moda antiga, se tem dificuldades de transpor os muros da cidade dentro dela age com enorme facilidade. Conhece as ruas, as pessoas, e sabe ser simpático com um eleitorado que não tem motivos concretos para não gostar dele. Pode não votar nele por uma questão geracional, mas não por qualidades negativas.  
Será a primeira vez que uma igreja Evangélica terá motivos concretos para entrar de cabeça numa eleição majoritária em Rio Preto. E a Universal não irá desperdiçar essa oportunidade por razões óbvias. O apoio religioso ao Mané nos obriga a reavaliar o cenário político na cidade. 
Em primeiro lugar existem dois grupos políticos importantes em Rio Preto. O primeiro e mais antigo os que não votam no PT de jeito nenhum, alguns até gostam do Rillo, mas não engolem o PT. E o segundo, que cresceu nestes últimos anos, os anti Valdomiro. Gente que ainda que aceite alguma qualidade na sua gestão não suportam o prefeito.  O Edinho Araújo era o destino de parte destes votos anti PT/Valdomiro. O apoio do Edinho ao Rillo em função disso certamente não irá significar uma transferência de votos do PMDbista e ao PTista. 
Não é certo, mas é possível desconfiar que o Rillo conseguiria mais apoio com o eleitorado do Mané do que com os eleitores do Edinho. Isso significa dizer que, se o deputado Sebastão Santos emergir na campanha não apenas como um vice qualquer, mas o fiador da Campanha do Mané dentro da Universal pode não apenas surpreender, mas tornar bastante real a ida do Mané ao segundo turno junto com o Prefeito.
Essa possibilidade, que não pode ser descartada, é que torna, agora, o primeiro turno mais importante do que estava sendo até então. E se ninguém conseguir emplacar a ideia de terceira via e o Mané emergir como o nome mais palatável aos não eleitores contumazes do PT e do Valdomiro?  Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…