Pular para o conteúdo principal

Mafiosos, por Ricardo Noblat


Mafiosos, por Ricardo Noblat

Intrigante! Ou não é?
O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), membro da CPI do Cachoeira, usou o celular para mandar uma mensagem ao governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ) onde dizia: "A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe, você é nosso e nós somos teu (sic)”.
Ora, com o quê mesmo Cabral deveria se preocupar? E porquê?
Cabral não é personagem relevante nem sequer marginal do objeto que a CPI se oferece para investigar: eventuais práticas criminosas desvendadas pelas operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal, com o envolvimento do bicheiro Carlinhos Cachoeira e de agentes públicos ou privados.
Políticos a mancheia, entre eles os governadores de Goiás e do Tocantins e auxiliares do governador do Distrito Federal são citados nos milhares de telefonemas trocados por Cachoeira com integrantes de sua quadrilha, e grampeados pela Polícia Federal.
E Cabral? Não. Cabral não é citado.
Resta farto material apreendido pela polícia na casa de Cachoeira e de outros que ainda está sendo periciado antes de ir ou não parar no Supremo Tribunal Federal – e dali na CPI.
A respeito de tal material ainda não se pode dizer nada. Mas naquele de posse da CPI não há uma única referência direta nem indireta ao governador do Rio.
De volta, pois, à intrigante pergunta que suplica por uma resposta: com o quê mesmo Cabral não deveria se preocupar se ele “é nosso” (ou seja: do PT de Vacarezza) e se “nós” (o PT de Vaccarezza) é dele?


O uso do “nosso” e originalmente do “teu” denuncia uma relação de cumplicidade e de proteção mútua entre o PT e Cabral.
Pode até azedar, como antecipa Vaccarezza, a relação do PT com o PMDB, o partido de Cabral. Mas Cabral não deve se preocupar.
A frase construída pelo ex-líder do PT na Câmara é de deixar a máfia siciliana com inveja. Por que ela não a imaginou antes? E por que não a incorporou aos ritos secretos de admissão de novos mafiosos?
Provocado a decifrar a mensagem enviada a Cabral, Vaccarezza não o fez. Escapou: “Sou amigo do PMDB. Nossas relações nunca serão azedadas”.
A mensagem teria sido escrita “num momento de irritação” de Vaccarezza com o PMDB.
Irritação porquê? Vaccarezza não diz. Só garante que ninguém será blindado pela CPI. Você acredita?
Bem, anote aí por que Vaccarezza estava irritado com o PMDB quando se correspondeu com Cabral: o partido resistiu aos apelos de Lula para forçar a mão e comprometer a VEJA com os crimes de Cachoeira.
Por anos, Cachoeira foi informante da VEJA. Lula acusa a revista de ter deflagrado alguns dos escândalos que atingiram seu governo.
Anote aí o que de fato preocupa Cabral e o leva a pedir proteção: uma investigação ampla dos negócios da empreiteira Delta do seu compadre e parceiro de luxuosas viagens ao exterior, Fernando Cavendish.
Cabral é padrinho das filhas gêmeas dele. Cavendish anda ameaçando entregar os podres de políticos e de partidos que financiou.
O mineiro Marcos Valério, um dos cérebros do mensalão, ameaçou contar o que sabia se fosse depor na CPI dos Correios. Depôs e não contou.
Retomou a ameaça ao notar que começara a ficar sem dinheiro. Cabeças estreladas do PT pediram a Lula que o socorresse.
Desconheço o que aconteceu, mas Marcos Valério não ficou sem dinheiro.
Cavendish não corre o risco de passar aperto.
No ano passado, apesar da receita da Delta ter caído apenas 10%, de R$ 3 bilhões para R$ 2,7 bilhões, o lucro despencou 85,5%,de R$ 220,3 milhões para R$ 32 milhões.
Um dos motivos foi o aumento do pagamento de dividendos a acionistas, que subiu de R$ 13 milhões para R$ 64 milhões.
Esperto Cavendish, não?
Junto dele, Cabral é um bobo, um bobão.
Tudo bem: extraiu vantagens da companhia generosa de Cavendish, o sedutor de nove entre dez políticos à cata de dinheiro para pagar dívidas de campanhas ou se eleger.
Agora, a popularidade de Cabral caiu. Menos do que ele calculou. Seu futuro político tornou-se opaco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…