Pular para o conteúdo principal

Grande imprensa faz cortina de fumaça para proteger VEJA


Grande imprensa fragiliza tese da autorregulamentação

Por Weden
A tese sustentada pela grande imprensa de que os próprios veiculos jornalísticos teriam a competência de se autorregulamentarem vem sendo fortemente prejudicada pela insistência em não apurar as denúncias contra o envolvimento da Veja com o crime organizado.
Ao contrário do que aconteceu na Inglaterra, onde o escândalo Murdoch foi revelado basicamente pela investigação profissional e competente de jornalistas do Guardian e da BBC, no Brasil, Folha, Estadão e Globo tentam, sem sucesso, construir uma cortina de silêncio em torno dos desvios éticos da revista Veja e do Grupo Abril, com seu envolvimento já comprovado com a quadrilha de Carlinhos Cachoeira.
A opinião pública surpresa com este tipo de corporavismo recorre às redes, onde a investigação jornalística e independente vem ganhando força, até com adesão de portais como o Terra.
A resistência é tanta que centenas de milhares de acessos diários nas redes, frequencia maior do que a maioria dos jornais deste país, não foram o suficiente para mostrar aos grandes grupos que o tema deve pelo menos ser debatido.
Quando o escândalo Murdoch veio à tona, diversos jornalistas brasileiros disseram que a regulamentação da imprensa não era necessária porque ela própria teria a capacidade de se autofiscalizar.
Mas, pouco tempo depois, diante das revelações das práticas ilícitas do Grupo Abril, esta tese veio abaixo com o silêncio em relação ao caso e até a agresividade sustentada por colunistas contra os profissionais que na rede vêm fornecendo informações comprovadas e importantes para a sociedade.
À época do escândalo, o próprio The Guardian promoveu um amplo debate sobre fiscalização e limites em relação à ação dos jornalistas e dos veículos.
Nem sequer este debate foi promovido pelos grandes meios nacionais, o que mostra imaturidade,  despreparo, falta de responsabilidade social e compromisso com a opinião pública.
A tese da autorregulamentação simplesmente vem se mostrando inviável. Não por força dos argumentos contrários. Mas pela incompetência dos próprios argumentadores favoráveis a ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…