Pular para o conteúdo principal

Os funcionários não obtém resposta do Prefeito


Paraibuna
Quase uma semana depois de ter publicado o texto ‘Salário da Educação em Paraibuna’ nada foi dito pelas autoridades competentes sobre o assunto. Uma das coisas mais impregnadas nos hábitos de quem ocupa cargos de poder no Brasil, e em Paraibuna em particular, é nunca explicar nada.
O grupo político do qual Barros faz parte nunca foi dado a explicações, isso por que quase sempre ganham as eleições, e por que ganham imaginam por consequência que estão dispensados de explicar qualquer coisa que seja. Isso sempre foi assim, mas como em Paraibuna ninguém explica nada sobre coisa alguma quando está no poder, acaba que ninguém explica nada nunca.
Ocorre que agora tem uma coisa nova chamada internet. Que vem tampar um buraco em Paraibuna que é a falta de uma imprensa vigorosa e atuante. É claro que o Barros não gosta que eu escreva tais coisas, a menos se forem elogios. Mas eu escrevo, por que como me disse alguém em Paraibuna, ‘se você não escrever ninguém escreverá’.
Mas olha que interessante. O Barros disse num comício dele em 2008 que ele iria regularizar a situação dos funcionários da Educação. Que situação? O fato de que todos os funcionários ganham a mesma coisa, o super salário de 625 reais. “Todos os funcionários” quer dizer, cozinheiro, motorista, inspetor, auxiliar disso e daquilo, todos ganham o mesmo o salário.
Não há diferenciação salarial por cargo na educação em Paraibuna. Promessa de campanha não realizada, mas dá tempo ainda Barros. Mas o que me chama a atenção é como a prefeitura tá comprando carro, caminhão, máquinas, prédios, terrenos, e não consegue arrumar os salários dos funcionários da educação. Nem dos professores!
Mas me parece que isso não é importante para o prefeito com altos índices de aceitação popular. Afinal, ainda que tudo isso seja uma realidade e que todos os interessados estejam discutindo o assunto na cidade, o Barros não publicou uma nota de explicação sobre o tema. Pode ser no Facebook do Vitão. Talvez se as pessoas ameaçarem votar na oposição ele resolva falar.
Ainda que o prefeito esteja fazendo uma administração que a maior parte da população aprove não significa que não existam problemas nem que ele não tenha que explicar as razões de suas escolhas quando perguntado. Não sou eu que pergunto, são todos os professores e funcionários da educação de Paraibuna. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…