Pular para o conteúdo principal

A militância anti política



Luciano Alvarenga
A militância anti política se espalhou por toda a sociedade. De alto a baixo o que se vê é o asco com a política e com os políticos. A política deixou de ser atividade social no espaço público e se transformou numa ferramenta para alpinistas sociais e ou manivela para uso de poderosos grupos econômicos financeiros interessados em subjugar o governo e a sociedade.
A política entrou em crise no mesmo momento em que permitiu que os interesses econômicos corporativos passassem a ditar a agenda política. Desde pelo menos os anos 1970, com o espraiamento neoliberal pelo mundo e a ideia de que a economia é a única agenda legítima para a política, que os políticos passaram a ser meros representantes baratos de mega interesses corporativos globais. A Economia sobrepujou a Política.
Ao mesmo tempo em que políticos descem a ladeira da moralidade os CEO´s das grandes empresas são erigidos como heróis, como os grandes líderes a nos guiar pela vida. Mesmo que sejam estes mesmos CEO´s parte da engrenagem que desmontou a importância da política. Nos sobra agora a realidade de que também eles os heróis modernos do Capitalismo Financeiro, agem contra a sociedade e em favor de uma plutocracia global.
Odiar a política é o mesmo que querer explodir o avião em pleno voo por que não gostamos do piloto. A política está em crise é verdade. Mas sua crise está no fato de que é limitada para enfrentar interesses muito maiores do que ela. Enquanto a política está amarrada ao local, ao espaço do país, as forças que lhe fazem oposição são forças globais sem amarras, que se deslocam pelo mundo sem controle. A política é nacional a economia financeira é global. Os atores da política precisam de votos, os pilotos do mercado global precisam apenas de um currículo.
Odiar a política é abrir mão da única ferramenta para lutar contra aquele cenário. Sem democracia só resta o mercado. E o mercado, ao contrário do que parece, não é democrático é plutocrático. No mercado ninguém tem outra escolha a não ser comprar. No mercado não se escolhe, compra-se. E quem não compra é um pária. O fim da política não é apenas o fim da democracia, é o inicio de uma ditadura de mercado. Não se deve estranhar a sanha com que veículos de mídia se lançam contra a política, é apenas uma evidência de que a democracia não é o ideal do mercado.
A única força com legitimidade social para ocupar o espaço ainda ocupado pela política e o mercado. Atacando a classe política destroem-se as bases da democracia. Sem democracia estaremos expostos as decisões dos senhores do mercado. E as decisões do mercado são aquelas que dão lucros e rendimentos, independente das consequências sociais e ambientais de tais rendimentos.
Estamos cercados de políticos estúpidos. Mas seremos dominados pela estupidez se aceitarmos que o mercado é o único capaz de pensar a sociedade e desenhar os caminhos futuros. Não é a política o nosso problema são os políticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…