Pular para o conteúdo principal

"Absurdo em Rio Preto". Outro?


  • Um absurdo é a única palavra que descreve a situação que eu vi hoje pela manhã. Às 8h, ao sair para o trabalho e passar pela Rua Voluntários de São Paulo, no Centro, havia 4 caminhões estacionados no meio da rua (!!!), acredito eu que para refazer o asfalto. Contudo, estes caminhões estavam estacionados na frente do Hospital Santa Helena, obstruindo a entrada e saída de emergência do hospital. Quando cheguei ao trabalho, liguei para a Polícia Militar no número de emergência e falei com a atendente soldado Luciana. A informação foi que, se eles estão trabalhando, não há nada que a Polícia possa fazer. "E se uma ambulância precisar entrar ou sair do hospital, e minutos forem preciosos para um paciente com risco de vida?", perguntei. A resposta foi: "Aí eles (os caminhões) vão dar um jeito". Mais incrédula ainda fiquei ao falar com a gerência do Hospital Santa Helena e saber que eles também não concordam com a ação destes trabalhadores, já tentaram mobilizar vários órgãos públicos a fim de mudar, pelo menos, o horário em que estes reparos são feitos, e nada foi alterado. Acredito que não posso ficar calada frente a mais uma situação que pode prejudicar outras pessoas, ainda mais se estas estiverem entre a vida e a morte. Meus amigos jornalistas ligados à política, será que algo pode ser feito? Gianda OliveiraDiego PolachiniLuciano AlvarengaAlexandre Costa?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…