Pular para o conteúdo principal

Revista Veja e o sub mundo do crime


Mais dados das ligações de Veja com Carlinhos Cachoeira


Leitores me informam de artigo na Veja desancando o senador Demóstenes Torres por suas relações com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Não se deixa um aliado ferido no campo de batalha.
O relatório da Polícia Federal sobre a Operação Monte Carlo - divulgado pelo Brasil247 - comprova o que já antevia no capítulo "O araponga e o repórter", na série "O caso de Veja". A revista manteve uma ligação estreita com Carlinhos Cachoeira que transcendia a mera reportagem pontual que ele poderia fornecer. O relatório da PF mostra que fontes-chave de diversas reportagens da revista eram assalariados de Cachoeira.
A parceria entre ambos foi fundamental para a manutenção de esquemas de corrupção nos Correios - da qual a gravação da propina de R$ 3 mil foi apenas um lance estratégico. Outros pontos levantados pela série mostraram que o jogo transcendia em muito a mera reportagem. Como o fato de diretor da revista supervisionar grampos montados por aliados de Cachoeira e aguardar semanas antes de divulgar a matéria.
Alertei várias vezes na época, na série, em entrevistas à rede Minas, em palestras disponíveis no Youtube, sobre os riscos desse envolvimento direto da revista com o mundo do crime. Aliás, a divulgação desse relatório deixa mais claro para mim a frase de Sidnei Basile, no almoço que tivemos e no qual ele me apresentou uma proposta (recusada) de acordo por parte de Roberto Civita: "Esse pessoal enlouqueceu de se envolver com algumas pessoas".
Na época, julgava que se referia às ligações com Daniel Dantas. É mais provável que se referisse a esse relacionamento com Carlinhos Cachoeira.
Não se tratava de mera ação individual de repórteres. O elo visível da ação de Carlinhos na revista foi promovido pouco depois a diretor da sucursal de Brasilia.
Há inúmeros casos de advogados que se valem das prerrogativas da profissão para auxiliar clientes criminosos. E como fica quando publicações se valem dos princípios constitucionais da liberdade de imprensa para armações que beneficiam diretamente criminosos conhecidos, como Carlinhos Cachoeira? Valem-se do poder ilimitado de que dispõe, que não pode ser barrado nem pelo Judiciário - a não ser com penalidades pecuniárias que mal arranham seu orçamento; valem-se do fato da mídia brasileira não praticar a crítica entre jornais e de seu poder financeiro para judicializar as críticas. E recorrem a assassinatos de reputação para intimidar aqueles que ousam apontar para práticas criminosas.
A cada dia que passa, mas me convenço de que a série "O Caso de Veja" foi um serviço de utilidade pública. O jornalismo de Veja, nos últimos anos, somente pode ser explicado à luz desses fatos que começam a aparecer a conta-gotas e que Fabio Barbosa, a muito custo, tenta reverter.

Do Brasil247

Parceiro de Veja também caiu com Cachoeira

Parceiro de Veja também caiu com Cachoeira Foto: Divulgação

Araponga Jairo Martins, que gravou a fita de Maurício Marinho recebendo propina em 2005, no marco zero do Mensalão, e a entregou ao jornalista Policarpo Júnior, de Veja, foi pego na Operação Monte Carlo; fonte regular da revista, ele também recebia pagamentos mensais da quadrilha do bicheiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…