Pular para o conteúdo principal

Dom Paulo Mendes Peixoto - Arcebispo de Uberaba


Dom Paulo: exemplo de Autoridade
A indicação de Dom Paulo Mendes Peixoto a Arcebispo de Uberaba nos coloca a pensar sobre o significado dos seus seis anos a frente da Diocese de São José do Rio Preto no que toca a ideia de autoridade.
A liderança de D. Paulo na Igreja de Rio Preto foi marcante, e marcante justamente por ter feito o que se espera que se faça de quem exerce autoridade. Autoridade é aquele que exerce um cargo de mando e, portanto, de responsabilidade. Ser responsável é agir de acordo com que é necessário que seja feito e não o que se deseja.
 O desprestígio dos vereadores, prefeitos, políticos em geral, de profissionais liberais, de pais e mães, padres e pastores, professores e todos os outros que ocupam cargos de liderança e autoridade está ligado ao fato de que desistiram da autoridade que lhe é atribuída. A grande crise das autoridades em nossa atual sociedade é justamente essa, a de não fazerem o que delas se espera.
Ser autoridade hoje é carregar o peso do descrédito, isso por que ninguém acredita que a tal autoridade esteja fazendo o que deveria. Ao contrário disso, Dom Paulo agiu contra muitos interesses, desagradou muitas lideranças, modificou modos e atitudes cristalizados, mas fez o que dele se esperava que fizesse. Isto é, fortaleceu, a partir do cargo que ocupou e das responsabilidades que lhe são cabíveis, a Igreja que lidera.
Estamos vivendo sob o império da audiência e ninguém quer ficar mal com a “torcida”, e esse é o problema. Lembro-me ainda nos anos 80 quando os novos pais afirmavam que queriam ser amigos dos filhos, querendo dizer com isso que seriam melhores como amigos do que como pais. O resultado está aí 30 anos depois.
Ter autoridade é exercê-la, é ser chato, é cobrar, impor limites, dizer o que pode e não pode. É apontar caminhos, é chamar para si a responsabilidade da decisão e arcar com as consequências. O que vemos hoje é que as autoridades só fazem alguma coisa depois de fazerem pesquisa para saberem o que as pessoas querem.
Uma autoridade legítima toma atitudes que considera importante independente da aceitação que a decisão terá. Por isso ela é uma autoridade. Dom Paulo fez isso nos anos em que esteve à frente da Diocese de Rio Preto. Luciano Alvarenga


Comentários

Caro blogueiro, uma autoridade a serviço creio, é que talvez enseje em seu texto, porque autoridade é um termo abstrato, tanto mais por falta de exercício talvez aparente-se a autoritarismo. Cuidemo-nos. Destarte todos os adjetivos e conceitos, algusn que vc mesmo usou, é um exercício, um condão junto aos liderados e não é tarefa única de se fazer obedecer, mas de ouvir.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…