Pular para o conteúdo principal

Prévias Tucanas em São Paulo


Prévias Tucanas em São Paulo

As prévias partidárias estão na moda. Nos Estados Unidos, os pré-candidatos a presidente do Partido Republicano se engalfinham. No Brasil, o PSDB paulista anda às voltas com elas em diversas cidades, tentando fazê-las para escolher seus candidatos a prefeito.
Em São Paulo, a discussão é especialmente relevante na capital, pelo motivo óbvio de ser a mais importante cidade do estado e a maior do Brasil. A disputa pela sua prefeitura sempre desperta interesse nacional, apesar de ter consequências tênues nas eleições presidenciais - e mesmo nas estaduais - seguintes.
Teremos, este ano, uma eleição aberta na cidade, sem medalhões de qualquer lado. No PT, por escolha do Diretório Municipal, que acatou a orientação de Lula e sua indicação de Fernando Haddad. No PSDB, pelo esvaziamento de Serra, que fez com que ele mesmo preferisse não correr o risco de uma derrota.
O prefeito vai mal de imagem - aliás, muito mal - e tampouco tem um nome forte para lançar. Kassab terminou 2011 como vitorioso no front político, depois que seu PSD cresceu além do que imaginava, mas amargando índices fortemente negativos de avaliação. A ideia de continuidade, bandeira inevitável de um candidato ligado a ele, tem poucos adeptos.
Nada mais natural que o PSDB procure novos rostos. E existem vários em condições de representá-lo em outubro. Mais novos e mais velhos; mais ligados a Alckmin ou a Serra; com atuação na prefeitura ou no governo do estado; com e sem experiência no Legislativo.
Em condições como essa, no mundo inteiro, é comum que os partidos façam prévias. É o que está acontecendo, nos Estados Unidos, com os republicanos. São, atualmente, quatro candidatos, dentre os quais sairá o adversário de Obama.
Lá, é um processo totalmente institucionalizado, tão antigo quanto a democracia - mesmo que seja confuso e misterioso para os não-iniciados.
Aqui, o problema é que nossa legislação a respeito das prévias é simples, mas restritiva. E nossos partidos, com exceção do PT, não têm experiência com elas.
Falar em prévias, no Brasil, é mais fácil que realizá-las. Como está vendo o PSDB de São Paulo.
A legislação admite apenas prévias “fechadas”, em que só filiados podem votar. E aí começam os problemas. De um lado, a vasta maioria dos eleitores identificados com o PSDB não está inscrita, pois filiar-se a um partido - a qualquer partido - não é comum em nossa cultura política. De outro, uma proporção nada irrelevante dos que preencheram ficha de inscrição não tem vínculo com ele.
Nem o PSDB sabe, com certeza, quantos são seus filiados em São Paulo. Até 2009, trabalhava-se com uma estimativa de 40 mil, quando Serra, preocupado com a movimentação de Aécio em favor de prévias na eleição do ano seguinte, mandou fazer uma recontagem. O número caiu pela metade, mas continuava incerto.
O partido contratou, então, uma empresa de telemarketing para checar seu cadastro. Que, até agora, a um mês da data marcada para que as prévias aconteçam, só conseguiu contatar 8,5 mil pessoas.
Quantos eleitores tucanos haverá em São Paulo? Difícil responder, mas sabemos, por exemplo, que Serra teve 3,4 milhões de votos na cidade em 2010. Que Alckmin teve 3,2 milhões para governador, no mesmo ano.
Embora imensa, não seria tão grave a discrepância entre eleitores e filiados (que são, somente, 0,003% dos primeiros) se esses fossem uma espécie de “vanguarda tucana”, cidadãos de tal maneira motivados e dispostos a participar que seria natural que sua decisão fosse acolhida pelos demais.
Quando, porém, se vai à procura dos filiados ao PSDB, o que se encontra, em muitos casos - como registrou a reportagem de um dos mais importantes jornais paulistas -, são pessoas que nem sabiam que o eram, pois acreditavam que haviam “preenchido fichas” para se cadastrar no Minha Casa, Minha Vida, ou para receber leite em programas estaduais. Que não têm qualquer intenção de se envolver nas questões do partido. Que foram arregimentadas por cabos eleitorais ou filiadas por amigos, algumas até simpatizantes do PT.
É bom e salutar que os partidos façam prévias. Elas oxigenam a vida partidária e os fortalecem.
Mas nossos partidos têm que fazer muito para que elas sejam mais que uma ficção. Partidos que nasceram na elite - e permaneceram sendo organizações de quadros - precisam se reinventar se quiserem se abrir à efetiva participação popular.

Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…