Pular para o conteúdo principal

O cenário político em Rio Preto - Luciano Alvarenga




O cenário político em Rio Preto está embolado ao mesmo tempo que claro. De um lado, quatro importantes candidatos: o atual prefeito Valdomiro (PSB), Edinho Araújo (PMDB), Joao Rillo (PT), Manuel Antunes (PDT), e já confirmados os nomes de Fernando Lucas (PRP), Marcelo Henrique (PSOL) e Luiz Carlos Bianchini (PV).
O protagonista da eleição neste momento é sem dúvida o prefeito atual. Com muitas obras em andamento, a maioria sendo concluída ou para concluir em breve o fato é que Valdomiro deu uma volta saindo dos dois primeiros anos de mandato recheado de reclamações, problemas administrativos e escândalos pequenos e grandes e, agora surfando no dinheiro, enviado pelo Governo Federal, certamente irá inaugurar duas obras por semana no período eleitoral. E tem obra hein. Povo vê obras, não escândalos. Ainda mais tendo em vista que os candidatos acima não quiseram assumir a paternidade das críticas ao prefeito quando este estava sendo constrangido pela imprensa, principalmente. Ponto positivo, obstinado.
Para ler as minhas críticas a essa administração clique.
O fato é que pairam muitas dúvidas e incertezas. A primeira e mais importante, Edinho será candidato de fato? Alguns dizem que ele não entra para perder e se o prefeito estiver muito bem avaliado desistiria. Difícil acreditar nisso. Nessa altura do campeonato da vida do Edinho não há espaço para esse tipo de manha. Afinal, Edinho se elegeu deputado quase no osso e o próprio PMDB está em franca campanha no Estado – especialmente na cidade de São Paulo - para se fortalecer novamente, certamente não deixaria seu único deputado federal do Estado fora da eleição. Edinho será candidato e contará com a máquina federal do PMDB. A coisa mais importante numa candidatura do ex-prefeito de Rio Preto é o fato de que o PMDB está praticamente isolado, não tem nenhuma coligação partidária. Ponto positivo, carisma.
Manuel Antunes será candidato ou desistirá para apoiar João Rillo? Segundo avaliam alguns analistas a campanha do Mané, que vem afirmando dia sim outro também que será candidato, fará linha auxiliar a do PT, ou seja, o PT vai bancar a artilharia pesada que o Mane tem para soltar contra Valdomiro. Embora poucos afirmem a possibilidade de Manuel Antunes ir ao segundo turno, o fato é que é um peso pesado da política municipal e ainda com grande capital eleitoral. Ponto positivo, não lhe pesa a menor desconfiança de que seja corrupto.
Rillo está numa posição confortável, mas que pode se complicar. É deputado e não tem obrigação de ganhar, se perder volta para a Assembleia. Mas uma pergunta paira sobre o deputado do PT. Os votos que teve no segundo turno da eleição em 2008 é em sua maioria dele ou do Mané? Sua eleição em 2010 para deputado não esclareceu essa dúvida, isso por que fez dobradinha com o Mané na cidade, um estadual outro federal. Importantes leitores da cena política em Rio Preto não afirmam com segurança quais são os votos realmente cativos do João Rillo.
Segundo consta o PTB está praticamente vice do PT. Esse é um dado importante, por que se isso se confirmar não haverá nenhum partido médio ou grande para ser vice do PMDB de Edinho. O PSD desliza de um lado a outro sem rumo certo, isso por que o partido não tem tempo de televisão, portanto, não atrai. Como o PSB do Valdomiro praticamente catalisou o apoio de quase todos os partidos médios e pequenos com honrosas exceções, teremos um cenário em que PT/ PTB mais o PR farão contrapeso, junto com o PMDB sem nenhum partido grande com ele, ao Valdomiro.
A novidade a se esperar é o que acontecerá com o Fernando Lucas do PRP, que tem um capital de 14 mil votos na cidade na sua eleição para deputado estadual em 2010 e Bianchini do PV, dependendo do que fizerem poderemos ter importantes novidades. Luciano Alvarenga



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…