Pular para o conteúdo principal

A greve na Bahia e o PT. Luciano Alvarenga

A PM da Bahia está em greve, mais particularmente em Salvador. O Brasil é um dos únicos países do mundo que tem policia estadual. E a soma das policias estaduais é maior do que o exercito. Trata-se na verdade de verdadeiros exércitos dos governadores estaduais. Mas para alem dessa característica brasuca, o fato que ao lado dos professores públicos, os policiais é a categoria do funcionalismo público mais abandonada pelo estado. No Brasil inteiro ser policial é ser quase desprezado pela sociedade e pelo poder público. Todo ano estoura uma greve da PM em algum estado, estes dias mesmo era em minas, antes em são Paulo, agora na Bahia e amanhã provavelmente será em outro lugar qualquer. Os policiais ganham mal, tem um plano de carreira ruim, são mal equipados, não tem preparo como deveriam, possuem armamento que é pior que dos bandidos que eles perseguem. Não raras vezes pessoas que nunca deveriam ser policiais são exatamente aqueles que acabam vestindo farda. É bom que se diga que o líder da grave na Bahia é o mesmo cara que o próprio governador Jacques Vagner do PT apoiou numa outra greve quando o governador era um cidadão do antigo PFL, hoje DEM. Ou seja, o PT da Bahia na figura do seu atual governador foi quem estimulou a tal figura que hoje lidera a greve a fazer aquilo que o PT hoje repudia. Os ataques e assaltos e os mais de 80 assassinatos nesta semana na capital bahiana é sim resultado dessa greve e não me admiraria nada se pessoas ligadas a própria policia daquele estado não estejam envolvidos nos ocorridos criminosos que estamos vendo. Agora uma coisa tem que ficar claro, policia não pode fazer greve. Precisa ter uma carreira bem paga, bem equipada, com boas possibilidades e que se proíba as greves. Grevista com 38 na cintura não acaba bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…