Pular para o conteúdo principal

Paraibuna. Administração é diferente de politica

Comentário: é uma pena o Rogério se afastar do debate nesse momento; seria ótimo ele demonstrar que é possível levantar a inteligência no meio da torcida organizada e burra; uma coisa é apoiar o governo outra é não pensar. Mas entendo suas razões. Luciano

Os postes no meio da rua da democracia de Paraibuna

Os Malvados, de André Dahmer

Anuncio aqui as férias coletivas do departamento de política paraibunense do blog Solilóquio Insipiente até outubro, após as eleições. O debate político que começa é o de pior tipo. Por isso, estou fora.
Soa meio estranho dizer isso logo depois do que escrevi no último post Minha voz em Paraibuna, mas vocês vão entender... acho.
O propósito do que faço aqui é a discussão política “feijão com arroz”, do dia a dia. É a cidadania. Não quero derrubar o Barros. Não quero que a paixão impeça a reflexão sobre o que escrevo.
A oposição
De um lado, começa a surgir a oposição.
Há gente bem intencionada, apontando problemas reais. Mas que se excede, transformando tudo na luta do bem contra o mal. Estes devem ter mais cuidado, sendo menos agressivos e mais argumentativos, para não perderem a credibilidade. Troca de ofensas no Facebook não é saudável para um debate político.
Por outro lado, há o grupo oposicionista. Este é oportunista. Até agora não deu as caras, e está usando os cidadãos acima como “boi de piranha” na batalha política.
Que ideia defende a oposição? Ainda não sabemos. E foi assim também quando o atual grupo entrou no poder. Lembro na última campanha política os então candidatos dizendo que apresentariam seu projeto somente depois que ganhassem. Mesmo assim, ganharam.
Na verdade, o grupo oposicionista quer apenas derrubar quem está aí. Não tem projeto para a cidade. É a eterna disputa pelo poder dos grupos paraibunenses. O povo é apenas massa de manobra. Já falei da oposição em A indisposição parabunense.
E, aguardem, quando virem a composição da oposição verão que não diferenciam em nada no grupo que está na administração hoje.
Simpatizantes
Já a situação está cercada de uma massa de simpatizantes acríticos. É o que vemos no Facebook bajulando o Vice-Prefeito. São incapazes de entrar num debate político. Costumam rotular de oposição qualquer um que apareça com espírito crítico, e deixam de prestar atenção no discurso e de debater ideias.
Esse grupo é extremamente nocivo ao líder político. Cercado por eles, o administrador perde também a autocrítica, e vive numa “ilha da fantasia”, acreditando que nunca antes na história desta cidade se fez um governo tão bom, tão fantástico, tão "tudo de bom"...
Mesmo os simpatizantes do Prefeito e sua administração tem de ter o senso crítico de apontar os defeitos e, assim, realmente ajudá-lo.
Nem todos que criticam são inimigos, nem todos que elogiam são amigos.
A administração do Barros
O grupo no poder vive o seu autismo. É incapaz de se comunicar com a população, e só dá ouvidos aos bajuladores acríticos que o cercam. Rotulam os cidadãos insatifeitos de oposição e acham que assim não devem dar qualquer explicação. É a pior estratégia.
Enquanto não entram com uma plano de comunicação do século XXI, os insatisfeitos estão nas mídias sociais listando um monte de supostos defeitos e irregularidades. Várias dessas discussões poderiam nem ter nascido se a administração respeitasse a população em geral.
Custava terem se adiantado e explicado porque os postes estavam na rua no Cuba? E, depois que as críticas surgiram no Facebook, custava participar do debate explicando e provando documentalmente o que estava acontecendo, demonstrando respeito? Tiveram que esperar o fato ir para a tevê, fortalecendo os insatisfeitos e a opoisção. Por que a Vanguarda merece respostas e o povo não?
É assim que grupos caem.
Um grande estrategista de comunicação foi o Ex-Presidente Lula. Conseguiu falar com situação e oposição, destruindo essa última e conquistando uma sobrevida ao petismo no Governo Federal que vai longe. E, aos poucos, vai se estendendo a governos estaduais e municipais. Além de Lula ter feito um bom governo nacional, teve uma ótima estratégia de comunicação. E não! Não estou fazendo propaganda do PT de Paraibuna. Longe disso...
Outra dica para o Prefeito: Blogs e Facebook poderiam ser usados como meios diários de comunicação interativa. É isso o que falta, uma estratégia de comunicação interativa! Limitar-se ao site oficial e revista trimestral (os quais têm o seu propósito) está ultrapassado. Já dei essa ideia em Conectando Paraibuna, uma ideia para o prefeito.
Um dia eu volto
Não quero que a oposição use meus posts para tentar derrubar o Barros. Não quero que a situação rotule meus textos de oposicionistas, sendo incapaz de refleti-los. Também não quero cometer excessos no calor do debate.
Volto depois que a poeira abaixar. Política foi feita para se discutir todos os dias, e não apenas em ano de eleição. Pra mim, pode vencer a eleição quem for, que não vai mudar nada. Se continuarmos com essa nossa “cidadania” medíocre, não há político que evolua essa cidade.
Aos que ficam, peço senso crítico e parcimônia. Debatam ideias, não pessoas.
Precisamos de mais cidadãos, políticos já temos o suficiente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…