Pular para o conteúdo principal

Paraibuna 2012: Barros e a oposição


Paraibuna 2012: Barros e a oposição
Luciano Alvarenga

A atual administração de Paraibuna feita por Antônio Barros é a melhor administração em décadas na cidade. Com dinheiro em caixa, vontade política e personalidade o que se vê é algo que a cidade não conhecia a muito tempo. Existem problemas: Esportinho (a morte no Paiabóia é um exemplo), estradas rurais, segurança pública, drogas entre jovens. Questões pontuais. No geral vai bem.
A oposição está muda há quatro anos. Viúva do Loureiro agora procura um rumo. O vereador João Batista, agora no PT, será o candidato da oposição em 2012. O João é parte da política do PT nacional, lançar candidatos a prefeito no maior numero possível de cidades, especialmente nas pequenas. Seu desafio é unir os desunidos contra o Barros. A oposição não costuma lançar pés descalços a prefeito; Joaquim Rico, Dr. Zélio, João Sales e Loureiro sempre nomes de grife. Bons nomes, mas o único que fez história e marcou a cidade foi o Joaquim.
Mas o João Batista não é nome da oposição, é nome do PT. Entretanto, o João é a promessa de uma nova oposição, mais vigorosa, mais atuante, já que a antiga... morreu? Seu desafio é encontrar as brechas na gestão atual e convencer o eleitor de que o que é bom poderia ter sido melhor. Mas seu desafio maior será perder, mas não ser derrotado. Isso por que a eleição de 2012 é o primeiro turno, por que o que interessa ao João é na verdade a eleição de 2016 contra o Vitão. 2016 depende de 2012, se perder bem colocado João é naturalmente novo candidato contra o sucessor do Barros.
Se o João conseguir convencer os últimos “baluartes” da velha oposição de que é um nome viável com o apoio do PT regional, pode ter chances inclusive de fazer uma bela eleição contra o Barros. Perderá, mas não sairá derrotado.
Mas e o Barros? Ele já ganhou a eleição. Tem demonstrado que é um ótimo político e um bom administrador. É hábil, não é rancoroso, discreto, objetivo e poucos sabem o que realmente pensa. Seu desafio é convencer que será no segundo mandato tão bom ou melhor do que foi no primeiro. Isso por que seu amigo Casquinha, prefeito de Jambeiro, que fez um ótimo primeiro mandato, tá sendo um horror no segundo; Jambeiro está praticamente abandonada. O que motivaria o Barros a fazer um segundo bom mandato?
Não é incomum que prefeitos que tenham feito ótimos primeiros mandatos, tenham feito, por outro lado, um segundo mandato horrível. A pergunta é: qual seria o grande motivador para que o Barros faça um excelente segundo mandato? A resposta tem a ver com o Vitão, e não é o que você pode estar pensando, mas fica para um próximo texto. Luciano Alvarenga
Ps: Vitão. Não se esqueça que ser popular não é o mesmo que ter votos, você perdeu a eleição para vereador por não ter se atentado para isso.
Ps 2: Alguns nomes não sobreviverão a 2012, vereadores e outros sumirão do mundo político de Paraibuna a partir de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…