Pular para o conteúdo principal

"Esse pessoal da favela não sabe viver em casa" - PSDB Ribeirão Preto

‘Esse pessoal da favela’

O crescente reacionarismo de líderes tucanos em São Paulo perdeu o pudor e se aconchega na demofobia, o horror ao povo. Depois das ações na Cracolândia e no Pinheirinho, bate o esculacho sobre as famílias do conjunto habitacional Paulo Gomes Romeo, em Ribeirão Preto.  Ao conferir os problemas apresentados nas casas entregues pelo governo, o diretor regional da CDHU (órgão estadual de habitação), Milton Vieira de Souza Leite, concluiu que pobre é uma desgraça.
Em entrevista à Folha de hoje, ao ser questionado sobre os motivos dos problemas nas casas, ele declarou: "A gente conhece o nível de educação [dos moradores]... O pessoal veio da favela. Não está acostumado a viver em casa". À tarde, Vieira rodou.
Que um dirigente da CDHU pense assim demonstra a disposição do governo paulista em relação ao povão: distância. E se incomodar muito, baixa o pau. Em vez de política, polícia. A desocupação do Pinheirinho é mais que insensibilidade posta em marcha. O que se viu foi um atentado aos direitos humanos pelo governo e pela Justiça paulista, como explica Raquel Rolnik, relatora especial da ONU para o direito à moradia adequada e colunista deste Yahoo!.
A invasão da polícia, planejada cuidadosamente e executada com violência, foi acompanhada de ausência de preparo para dar abrigo aos moradores da comunidade. Expulsas sob bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, essas famílias — incluindo crianças, idosos e cadeirantes —  hoje se amontoam em uma escola sem qualquer condição de higiene. Encerrada a operação, as autoridades trocaram elogios por esse "sucesso". Surpreendente? Mas o que dizer de um governo que trata o golpe militar como "revolução" no site oficial da Secretaria de Segurança Pública?
A situação de suposta "ilegalidade" dos moradores do Pinheirinho, respaldada por um mandado judicial, serviu para encobrir abuso de poder. Agora, defensores da operação Pinheirinho denunciam manipulação política por militantes de esquerda (no caso, o PSTU, embrenhado entre os moradores). Ao agitar bandeiras partidárias, buscam esvaziar o drama daquelas famílias.
O caso Pinheirinho é um retrocesso  numa democracia ainda capenga e revela do quanto ainda estamos distantes do reconhecimento do direito de cidadania, a despeito do acesso de famílias pobres à categoria de consumidor. Mas em São Paulo a culpa é desse "pessoal que veio da favela."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…