Pular para o conteúdo principal

Ordem e Conciliação: a Elite e o Povo

Luciano Alvarenga

A higienização social no esvaziamento da Cracolândia em São Paulo e mais recentemente a invasão do bairro Pinheirinho em São José dos Campos são reveladores da maneira padronizada e secular de relacionamento das elites no Brasil com a massa do povo. E se 82% da população de São Paulo concordam com a invasão da cracolândia, como informou pesquisa recentemente publicada, não altera o que será dito abaixo, mas apenas confirma a hegemonia do pensamento dominante no Brasil.


Dois elementos são fundamentais para entender essa relação elite/povo. Ordem e Conciliação. O grande esforço das elites brasileiras desde pelo menos o Império foi a profunda necessidade de manter a ordem, custe o que custar. Custe o que custar explica a enorme violência com que se lança sobre o povo quando sente ameaçado o status quo dominante. A carnificina que se produziu pelas forças do Estado sobre as revoltas de Canudos e Contestado é o exemplo maior da necessidade de manter a ordem. À moda brasileira a ordem é filha da violência.


Por outro lado, a idéia de Conciliação é o padrão de relação que as elites sempre mantiveram entre elas quando seus interesses são conflitantes. Acomodar e conciliar interesses dominantes divergentes explica a sempre consolidada união das elites no Brasil. E isso desde sempre. Um dos casos mais emblemáticos da história recente é o impeachment do presidente Collor. Tendo em vista o fato de que Collor não concilia como deveria os interesses divergentes acasalados no poder e, mais o fato de que a população nas ruas forçava uma situação de possível desmantelamento da ordem o que se sucede é o impedimento do presidente pelos representantes da elite no congresso. A defenestração do poder não significa abandono do filho da elite, mas o contrário. A idéia era controlá-lo não destruí-lo.  Tirado do poder, mas absolvido no STF pelo relator do processo que foi anteriormente indicado pelo próprio Collor para ocupar a Corte Suprema. Esse é o padrão de relação das intra elites no Brasil, elas nunca divergem e se o fazem, conciliam.


Ordem para os de fora e conciliação entre os de dentro.


O dois casos citados no primeiro parágrafo são emblemas da maneira como as elites se relacionam com o povo. Como a idéia é apenas manter a ordem, uma vez que a conciliação é sempre o horizonte certo para solução dos conflitos intra elites, e a ordem passa, não pela introdução do povo num projeto de nação, mas simplesmente pela manutenção do equilíbrio de poder, a violência é o único elemento das elites para acomodar a cotidianidade da massa na sociedade.


A mais completa falta de projeto para as universidades paulistas - vide o caso da invasão da USP -, as universidades públicas paulistas estão em petição de miséria, a falta de comprometimento para além da higienização social nos espaços urbanos da cidade – cracolâncida - e, o conflito direto entre moradores pobres – São José dos Campos - numa área nobre e de importância capital para os interesses imobiliários nacionais revela mais uma vez a repetição do mesmo padrão. A manutenção da ordem por meio da violência. Isso notoriamente registrado pelo fato de que nas três ações o agente público designado pelo poder foram as forças militares.


Em nenhum dos casos surgiu qualquer outro elemento para a regulação dos conflitos que não fossem as forças policiais. O mesmo não vem se dando em relação às trágicas revelações sobre possíveis e graves desvios de dinheiro público e venda de sentenças no judiciário paulista e nacional (Elite). Nos dois casos citados no inicio do texto o protagonista político direto é o PSDB. E cito este fato apenas para afirmar que sem discurso e plano de governo que possa ser oferecido ao pais como alternativa ao partido instalado no poder, acabou o PSDB se reduzindo apenas a representante simplório dos interesses das classes que no Brasil sempre tiveram ótimas representações à direita.


Como as Elites do país não conhecem melhor maneira de se dirigir ao povo que não seja pela força policial (que se diga é apenas ferramenta do poder), o PSDB, ao arrepio de seus modernos fundadores, tornou-se apenas o receptáculo político dos eternos parasitas da nação para usar uma expressão do grande intelectual Manuel Bonfim em América Latina: males de origem. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…