Pular para o conteúdo principal

CENSO MOSTRA A EVOLUÇÃO NA PRESENÇA DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL

CENSO MOSTRA A EVOLUÇÃO NA PRESENÇA DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL
As mudanças na configuração da Igreja no Brasil, registradas no novo Anuário Católico 2012 que acaba de ser lançado pelo CERIS – Centro de Estatística Religiosa e Investigações Sociais - trazem, entre outros dados, um retrato do atual quadro no aumento do número de paróquias, dioceses, bem como o significativo aumento no número de sacerdotes e diáconos permanentes. O Anuário 2012 está sendo distribuído pela Promocat e já pode ser adquirido pelo site www.guiacatolico.com/assine , pelo email assinaturas@promocat.com.br ou pelo telefone (11) 2099 6688. 
A relação entre presbítero por habitante que mede a capacidade de atendimento a população católica do Brasil, também aumentou, confirmando a presença da Igreja em todos os municípios brasileiros. Assim, as necessidades de conversão pastoral apontadas pela Conferência de Aparecida parecem encontrar respostas positivas. Dentre as mudanças que o Censo revela, nas suas diversas vertentes, chamadas aqui de evolução da Igreja no Brasil, estão contempladas, por exemplo: 
-A evolução do número de paróquias por regional da CNBB (1940-2010) e a média de crescimento anual destas neste período; 
-A evolução do número de circunscrições eclesiásticas (1991-2010); 
-A evolução do número de diáconos permanentes neste mesmo período; 
 -A evolução do número de presbíteros brasileiros e estrangeiros (1970-2010); 
 -A estagnação do número de religiosas,  incluindo professas, noviças e professas egressas; 
-A evolução do número de presbítero por habitantes (1970-2010); 
-A relação entre habitantes por presbítero (1970-2010) e o percentual da evolução destes indicadores nos anos de 1990 a 2010, entre outros dados. 
Esta amostragem do CERIS contesta, por um lado, teorias como a da secularização e a do enfraquecimento da Igreja Católica, que perde fiéis para outras denominações religiosas, ou mesmo para o ateísmo, como algumas pesquisas censitárias apontam. E por outro, reforça a tese de Zygmunt Bauman de que a busca pela  comunidade religiosa,  a Igreja ou a vida sacerdotal, é a busca por segurança em um mundo de inseguranças... veja mais
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…