Pular para o conteúdo principal

Carro ou bike?

Rio inicia programa de aluguel de bicicletas

Por Marcos Costa
Do Ciclovivo

Ao todo serão instaladas 60 estações de aluguel de bicicleta em 14 bairros da cidade do Rio de Janeiro até 13 de dezembro. | Imagem: Gustavo Rampini
A Prefeitura do Rio, em conjunto com a empresa concessionária Serttel, e parceria do Itaú, iniciou na última sexta-feira (28), o programa Bike Rio de aluguel de bicicletas. Ao todo serão instaladas 60 estações de aluguel de bicicleta em 14 bairros da cidade até 13 de dezembro. Já nesta data foram entregues 11 estações em Copacabana: Posto Seis, Sá Ferreira, Miguel Lemos, Cantagalo, Santa Clara, Dias da Rocha, Serzedelo Correia, Siqueira Campos, Copacabana Palace, Cardeal Arcoverde e Princesa Isabel.
“Hoje é um dia muito importante para a cidade. Esse projeto tem uma relação direta com o esforço da prefeitura de reduzir a emissão de gases do efeito estufa. Hoje temos dois grandes vilões: o lixo, e para isso já estamos trabalhando no caminho certo desde que inauguramos o centro de tratamento de resíduos, e o maior deles – o transporte. Com esta iniciativa aqui ajudamos não só a aumentar ainda mais o charme desta cidade, como também melhoramos a questão da sustentabilidade e da mobilidade urbana. Outro esforço nosso tem sido aumentar a malha cicloviária e que vamos dobrar até o final do ano que vem, chegando a 300 km”.
A partir de dezembro 600 bicicletas estarão disponíveis em pontos estratégicos nos bairros de Botafogo, Catete, Centro, Copacabana, Cosme Velho, Flamengo, Gávea, Humaitá, Ipanema, Jardim Botânico, Lagoa, Laranjeiras, Leblon e Urca. As estações funcionarão alimentadas por energia solar. Novas travas e pinos de fixação reforçam o sistema de segurança, para dificultar o furto das bicicletas.
As bicicletas estarão à disposição dos usuários todos os dias da semana, das 6h às 22h. Para usar o sistema compartilhado, é preciso preencher um cadastro pelo site e adquirir o passe Samba. O usuário pode optar pela mensalidade de R$ 10,00 ou a diária de R$ 5,00 e não vai precisar pagar nenhum valor adicional desde que sejam respeitadas as seguintes regras: A bike pode ser usada por 60 minutos ininterruptos e quantas vezes por dia o usuário desejar. Para isto, basta que após os 60 minutos, o usuário estacione a bicicleta em qualquer uma das 60 estações, por um intervalo de 15 minutos.
As estações são interligadas por sistema de comunicação sem fio, via rede GSM e 3G, permitindo que as 60 estações estejam conectadas com a Central de Controle Samba 24 horas por dia. A Central irá monitorar em tempo real toda a operação do sistema, garantindo a melhor distribuição das magrelas nas estações, e realizará atendimento dos usuários via celular e call center. O projeto também contará com oficina de manutenção para montagem e recuperação dos equipamentos e veículos especiais para distribuição das bicicletas. Para destravá-la, o usuário terá que fazer ligação do telefone celular ou interação pelo aplicativo para smartphones.
As bikes desenvolvidas pela Samba Transportes Sustentáveis tem fabricação 100% nacional, pesam em torno de 15 quilos, possuem quadro em alumínio com design diferenciado, três e seis marchas, selins com altura regulável, guidão emborrachado, acessórios de sinalização e sistema de identificação e trava eletrônica.
“Valorizar a bicicleta como meio de transporte sustentável é o principal objetivo do projeto Bike Rio, contribuindo, assim, para a redução dos engarrafamentos nas áreas centrais das cidades e para a integração com outros meios de transporte, como metrô e ônibus, facilitando a mobilidade urbana. Vale destacar também que a bicicleta foi eleita pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o transporte ecologicamente mais sustentável do planeta e o seu uso no dia a dia colabora para a diminuição da poluição nos grandes centros urbanos”, ressalta Angelo Leite, presidente da Serttel.
“O Itaú mantém relação de longa data com o Rio de Janeiro e acreditamos no potencial socioeconômico da cidade. O objetivo do banco ao patrocinar o projeto é justamente contribuir para o desenvolvimento sustentável do município, além de cooperar com a melhoria da infraestrutura para os eventos que o Rio de Janeiro receberá nos próximos anos, como o Rio+20 e a Copa do Mundo FIFA 2014”, afirma Zeca Rudge, vice-presidente executivo do Itaú Unibanco.
O projeto Bike Rio se soma ao objetivo estratégico da Prefeitura de incentivar o uso de bicicleta como transporte alternativo e foi idealizado para que os usuários possam percorrer trajetos utilizando a bicicleta no percurso completo ou integrando com outros modais de transporte. Nesse momento, a Prefeitura do Rio investe na expansão da malha de ciclovias da cidade que passará a ter 300 quilômetros até o final de 2012.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…