Pular para o conteúdo principal

Ultrassom aumenta a escolha por aborto

Ultrassom gera 'aborto seletivo' na Ásia, diz demógrafo

Da AFP
Na maioria dos países, proporção é de 104 a 106 nascimentos de meninos para cada 100 nascimentos de meninas
Ultrassom na Nova Délhi
Mulher passa por exame de ultrassom na Nova Délhi, Índia
Hanói, Vietnã - O acesso maior à tecnologia que permite que os pais saibam o sexo de seus filhos antes do nascimento reduziu em 117 milhões o número de mulheres na Ásia, principalmente na China e Índia, anunciou a ONU nesta quinta-feira.
Essa tendência deve influenciar os países afetados por mais de 50 anos, principalmente por meio de uma redução do número de noivas para os homens chineses e indianos, apontaram especialistas durante uma conferência organizada por ONU e Vietnã em Hanói.
"Essa queda do nascimento de meninas reflete a preferência por meninos e o acesso maior à nova tecnologia de seleção de sexo", como o ultrassom, assinala um paper do UN Population Fund. Muitos pais recorrem a "abortos seletivos", destacou o demógrafo francês Christophe Guilmoto.
Na maioria dos países, a proporção é de 104 a 106 nascimentos de meninos para cada 100 nascimentos de meninas, "mas esse nível aumentou gradativamente nos últimos 25 anos em vários países asiáticos, principalmente na China e Índia", informou a ONU.
"A discriminação pós-natal - expressa no excesso de mortes de crianças do sexo feminino - ainda não foi eliminada totalmente em vários países, e reflete a negligência dos pais envolvendo as filhas mulheres", diz Guilmoto no paper.
Segundo a ONU, a preferência por meninos reflete as influências sócio-econômicas e tradições em que apenas os homens herdam propriedades e cuidam dos pais em sua velhice, enquanto as mulheres requerem dotes e deixam a família quando se casam.
Guilmoto assinalou que, mesmo se a proporção de nascimentos de ambos os sexos voltar ao normal dentro de 10 anos, os chineses e indianos continuarão tendo dificuldade para encontrar uma esposa durante décadas. "Esse desequilíbrio também levaria a um aumento rápido do número de solteiros, uma mudança importante em países onde quase todo mundo costumava se casar."
Na China, a maioria dos pais são proibidos de ter mais de um filho. "Lidar com as consequências demográficas do desequilíbrio entre os sexos e seu impacto na sociedade pode se tornar, em breve, o próximo desafio para os governos", indicou Guilmoto.
Heeran Chun, da Universidade Jungwon, da Coreia do Sul, disse que seu país foi o único a reduzir para níveis próximos da normalidade a proporção de nascimentos de homens e mulheres.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…