Pular para o conteúdo principal

Steve Jobs e o espírito religioso

Luciano Alvarenga.

As pessoas estão mais religiosas ou menos? Creem mais ou não? A ciência está dominando as consciências e empurrando a todos para um mundo descrente, ou estamos vivendo um renascer religioso?
São perguntas importantes. Me perguntei tais coisas em função da morte do arquiteto da Apple Steve Jobs.
. Hoje os moderninhos gostam de afirmar sua superioridade mental ...por que, segundo eles, não se deixam enganar pelas religiões. Interessante, afirmar que a religião é tudo de ruim é fácil, difícil é entender qual o seu significado e sua importância para todas as civilizações antes de nossa.
Se quisermos entender um pouco o por quê da impressão que temos de decadência, basta percebermos o enfraquecimento do espírito religioso.
Afogados que estamos numa vida que busca pequenos prazeres, apenas satisfação de desejos fúteis, vazios, imediatos e sem siginificados maiores e mais profundos, o que estamos vivendo na verdade é uma vida sem destino, e, portanto sem sentido.
Segundo o historiador inglês Arnold Toynbee o “destino das civilizações está inerentemente vinculado à imaginação religiosa... Se o vigor espiritual e o senso de origem e destino energizam uma civilização e a conduzem ao seu ápice, a ignorância do que isso significa leva a desmoralização e ao declínio”.
Tais palavras foram escritas a 150 anos e me parecem absolutamente atuais. A verdade é que a ciência e a tecnologia não podem responder as necessidades espirituais dos seres humanos. Apenas a religião.
Ao nos lançarmos na modernidade ao culto à ciência e a tecnologia nos afastamos dos sentidos que apenas a imaginação religiosa é capaz de criar.

Comentários

biojfr disse…
Segundo o historiador inglês Arnold Toynbee.....

por isso mesmo ouve a idade media

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…