Pular para o conteúdo principal

Rock geriátrico

Com 29 anos de estrada, Capital Inicial ainda fala língua dos jovens

CARLOS MESSIAS
DE SÃO PAULO
Sábado retrasado, o Capital Inicial dividiu o palco do Rock in Rio com bandas como Red Hot Chili Peppers, NX Zero e Snow Patrol, mas seu show foi cotado como o mais animado.
O grosso do público era formado por adolescentes e jovens adultos, que sabiam as letras de cor. "Desde o começo [em 1982], nos comunicamos mais com os jovens de cada época", reconhece o vocalista, Dinho Ouro Preto, 47.
"Costumo dizer que nós somos adolescentes há mais tempo do que eles", brinca.
Para o músico, o elixir da juventude consiste em rock direto e letras simples. "Como o AC/DC e o Ramones sempre fizeram", compara.
Como Dinho define, essas letras abordam "questões do cotidiano". Tópicos como individualidade e vida em sociedade, sempre tão recorrentes na formação de um adolescente. É como se Dinho entrasse na cabeça deles.

Danilo Verpa/Folhapress
Dinho OUro Preto comanda apresentação da banda Capital Inicial no palco Mundo
Dinho Ouro Preto comanda apresentação da banda Capital Inicial no Rock in Rio
"Toda vez que escuto 'Ressurreição', sinto como se ele estivesse falando diretamente comigo", diz a brasiliense Fernanda Karoline de Lima, 16. Ela afirma que as letras do Capital chegam a influenciar seu posicionamento filosófico e político.
Além de ouvir os discos, a estudante tem relacionamento intenso com a banda por meio da internet. Graças a concursos da comunidade oficial no Orkut, ela conseguiu conhecer os ídolos no camarim de um show.
Assim como a gaúcha Fernanda Ferreira, 16, que já chegou a esperar pela banda por 14 horas no aeroporto de Porto Alegre. "Hoje me comunico com o baixista [Flávio Lemos] pelo Twitter com frequência", atesta.
A presença forte do Capital Inicial na internet ajuda muito na comunicação com os jovens. A comunidade do Orkut tem mais de 275 mil usuários; o grupo no Facebook, 260 mil.
Segundo a agência Veda, que gerencia as redes sociais da banda e produz conteúdo exclusivo para o seu site, 46% dos usuários de Facebook que curtiram a banda têm entre 18 e 24 anos; 17% têm idade inferior a 18.
SÍNDROME DE PETER PAN
As letras do Capital refletem os dilemas da juventude
"A VIDA É MINHA" (2007)
Querem que eu cale e obedeça
E depois de tudo ainda agradeça
Ser só alguém dizendo sim
Não vou mudar, não importa
o que aconteça
"QUATRO VEZES VOCÊ" (2002)
Carolina pinta as unhas
roídas de vermelho
Em vez de estudar
Fica fazendo poses
nua no espelho
"NATASHA" (2000)
O mundo vai acabar
E ela só quer dançar
O mundo vai acabar
E ela só quer dançar,
dançar, dançar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…