Pular para o conteúdo principal

Mãe de Brasília espalha anúncios para encontrar amigos para o filho


12/10/2011 14h00 - Atualizado em 12/10/2011 14h00

Mãe de Brasília espalha anúncios para encontrar amigos para o filho

'Meu nome é Gustavo e gostaria de fazer amiguinhos para brincar', diz cartaz.
Primeira resposta apareceu quase duas semanas após mãe colocar anúncio.

Do G1 DF
Mãe de um menino de um ano e 11 meses, a publicitária Bianca Schroeder espalhou anúncios em apartamentos próximos ao local onde mora no Guará, a 11 quilômetros do Plano Piloto, no Distrito Federal, em busca de amigos para o filho.
“Meu nome é Gustavo, tenho 1 ano e 11 meses e gostaria de fazer amiguinhos para brincar. Se quiser fazer parte da turma, procure minha mãe”, diz o cartaz.
Quase duas semanas após Bianca divulgar o anúncio, a primeira resposta veio na manhã desta terça-feira (11). A mãe de um menino de pouco mais de dois anos ligou para a publicitária. Gustavo deve conhecer o novo possível amigo nesta quarta (12).
“Ela me contou que teve a mesma dificuldade de encontrar crianças dessa faixa etária para o filho brincar. Eu até vejo crianças no prédio, mas elas não são da mesma idade do Gu”, relata.
Bianca explica que Gustavo passa as manhãs com a avó paterna ou com o pai, enquanto ela estuda. De tarde, ele dorme por três horas. “Quando ele acorda é a hora de usar a criatividade”, diz a publicitária, que se vale de DVDs infantis e de um quarto recheado com brinquedos.
Livro inspirou anúncio
Bianca conta que teve a ideia após ler a sugestão em um livro sobre maternidade. “Com o contato com outras crianças, ele vai conhecer novos brinquedos, novas brincadeiras”, afirma a mãe.
Ela diz que pretende matricular o menino em uma creche no próximo ano e que sabe que ele vai fazer colegas no novo ambiente, mas Bianca conta que a motivação do anúncio não foi apenas buscar companhia para o filho.
“O foco não está apenas no Gustavo. Seria legal se as mães se juntassem para dividir problemas”, afirma. Gustavo é o primeiro filho da publicitária. A família dela mora no Rio de Janeiro e ela ainda está tratando uma depressão que começou durante a gravidez. “Não foi planejada”, afirma Bianca, que tem 25 anos.
Nós vivemos em uma sociedade bastante temerosa de se aproximar do outro. O que estranha é que a vizinhança fique retraída e não responda a um convite dessa natureza"
Bianca Schroeder, publicitária que colocou anúncios em busca de amigos para o filho de 1 ano e 11 meses
A psicóloga Angela Branco, especialista em desenvolvimento humano, avalia como positiva a iniciativa de Bianca tentar encontrar amigos para o filho, mas acredita que pode ser um pouco precipitado. “A partir dos dois anos, quando a criança começa a falar, é interessante que a criança interaja com outras, é importante para o desenvolvimento”, afirma.
A psicóloga disse que a demora para que alguém respondesse ao anúncio diz muito sobre como os relacionamentos se estabelecem atualmente nas grandes cidades. “É muito interessante que a pessoa chegue nesse ponto. Nós vivemos em uma sociedade bastante temerosa de se aproximar do outro. O que estranha é que a vizinhança fique retraída e não responda a um convite dessa natureza.”
Bianca afirma que o filho não é uma criança solitária e que a iniciativa buscou criar uma rede de convivência na região em que mora. “Ele brinca com os primos todos os fins de semana, só que eles têm 9, 10 anos. Não é a mesma coisa. O recado foi para chamar a atenção dos pais, que se tivesse alguma criança escondida por aí, que ela aparecesse”, brinca a publicitária.
Bianca brinca com Gustavo no térreo de seu prédio, e o anúncio usado para buscar amigos para o menino (Foto: G1)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…