Pular para o conteúdo principal

Jornalismo de sarjeta

Nova onda de intolerância varre o país

Autor: 
Por Vinicius Carioca
Nem estamos em ano eleitoral e o nível de intolerância na blogosfera atinge níveis preocupantes. É inacreditável o que portais ligados aos mais importantes veículos do país publicam de comentários ofensivos, alguns verdadeiramente criminosos, na área reservada aos leitores, sem falar nos próprios blogueiros.
De um lado e de outro, em lugar de fatos e argumentos, o que vemos é o assassinato de reputações numa linguagem de sarjeta, uma verdadeira gincana para saber quem consegue ser mais agressivo e grosseiro em seu nicho de mercado, seja a favor ou contra o governo federal.
Neste verdadeiro "Fla-Flu" da intolerância, parece que todo mundo só quer enxergar um lado, o seu lado, a parte da realidade que lhe interessa, e não como ela de fato se apresenta a quem está disposto a apenas entender o que está acontecendo no país.
Noto que este clima de beligerância se espalhou a partir das discussões sobre o tamanho e os objetivos das marchas de protesto "contra tudo o que está aí" inauguradas no dia 7 de setembro, que reúnem jovens idealistas dispostos a combater a corrupção e velhos malacos cansados, sempre em busca de um atalho para chegar ou voltar ao poder, atacando o governo federal, com ou sem razão.
Como muitos dos mentores e entusiastas destas manifestações estão abrigados em espaços vistosos da velha mídia, qualquer crítica é recebida a pedradas como se quem não apoiasse ou participasse das marchas fosse corrupto, chapa-branca, vendido ou comprado com verbas federais.
Ou seja, tirando os 20 ou 30 mil ou sei lá quantos que se mobilizaram nas ruas com faixas e adereços, os outros 190 milhões de brasileiros não prestam. São omissos ou coniventes.
Do lado oposto, nas redes sociais e nos sites dos novos meios eletrônicos, qualquer denúncia sobre os "malfeitos" governamentais é tratada como crime de lesa-pátria, traição aos supremos interesses do país, coisa de gente que só pensa em fabricar escândalos para derrubar o governo.
Não tem meio termo. Tudo é ótimo ou péssimo, preto ou branco, bonito ou podre, dependendo do ponto de vista e da camisa de cada um, sem pensar para escrever com um pouco de racionalidade, bom senso, juízo, respeito à verdade factual. É tiro para todo lado, como se vivêssemos numa verdadeira guerra civil virtual.
Para chegar aonde? Contribui para isso a progressiva partidarização da grande imprensa, amplificando e mantendo nas manchetes os escândalos federais, e jogando para debaixo do tapete os escândalos estaduais, especialmente os de São Paulo.
Neste ambiente hostil, fica até difícil moderar os comentários de um blog jornalístico e absolutamente independente como este Balaio faz questão de ser desde que foi ao ar pela primeira vez.
Como vocês próprios são testemunhas, publico aqui opiniões de todas as tendências político-partidárias, muitas contendo críticas duras ao que escrevi. Não divido o mundo entre os que são a favor ou contra o que escrevo. Deleto apenas as ofensas gratuitas e histéricas de quem ainda não aprendeu a conviver numa democracia em que reina hoje a mais absoluta liberdade.
Nunca me preocupei em ganhar ou perder leitores e amigos com o que escrevo, mas apenas em ser leal e honesto com os leitores. Disso vocês podem ter certeza.
Vou sempre correr o risco de errar, inerente ao trabalho do jornalista que escreve quase todos os dias, já faz quase meio século. Não sou nem nunca quis ser dono da verdade. Para mim basta ser honesto e verdadeiro naquilo que a gente pensa, sente e escreve, sem querer ser melhor do que ninguém.
Os caros leitores têm alguma boa ideia sobre o que é possível fazer para evitar que esta onda de intolerância se alastre e possamos continuar o debate com um mínimo de civilidade e respeito? Pensem nisso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…