Pular para o conteúdo principal

Corinthians e os paus mandados do coronel

Diretoria do Corinthians acusada de mandar espancar família

Em observação
Por Wilson Silva
Nassif, pode pai de família sair algemado de um estádio pela PM após apanhar (junto com os filhos) de seguranças de um clube de futebol?
Pois isso foi o que aconteceu ontem no Pacaembu:
Do Blog do Trio

Selvageria no Pacaembu!

Nação Corinthiana,
No momento, não vou tratar da análise tática da partida entre Corinthians e Botafogo, que ficará para depois.
A questão é um pouco mais séria e ocorreu nas cadeiras numeradas do Estádio Paulo Machado de Carvalho. Tal fato chegou ao meu conhecimento através de relatos de pessoas que presenciaram o fato.
Em pleno dia das crianças, um torcedor – como tantos outros – levou seus filhos ao Pacaembu para assistir o Timão jogar.
Após ver o Coringão sofrer o segundo gol, um dos meninos, com aproximadamente 13 anos de idade, teve uma reação natural em uma derrota: xingou time e diretoria do clube.
Ocorre que, alguns lances abaixo, estavam localizados membros da diretoria do Timão, que não gostaram nada do que ouviram. Em razão disso, cerca de 20 seguranças se dirigiram até o local de onde partiu o xingamento e ESPANCARAM o menino, seus irmãos e seu pai.
 A Polícia Militar verificou a agitação e dirigiu-se ao local. Mas, ao invés de prender os agressores, resolveu algemar o torcedor – que, após ver seus filhos ensanguentados de tanto apanharem, sofreu um mal súbito e teve de ser retirado de maca do local.
A cena foi presenciada pelas pessoas que estavam em volta.
Se você souber de mais informações sobre o ocorrido ou sobre os envolvidos, bem como tiver fotos/vídeos da confusão, favor entrar em contato.
Não podemos deixar que mais um ato de selvageria permaneça impune.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…