Pular para o conteúdo principal

Budrus - Official Trailer




Entre 21 e 27/10, no Rio e em S.Paulo, lançamento do filme premiado que expõe força da resistência pacífica para libertação da Palestina e paz no Oriente Médio
Sua diretora, Júlia Bacha, é brasileira. O documentário foi premiado em festivais internacionais como os de Berlim, São Francisco e Tribeca. No entanto, Budruso filme que retrata a resistência de uma aldeia palestino-israelense à construção, por Telaviv, do muro de segregação entre as duas comunidades – ainda não tem uma versão em português nem foi exibido em salas do Brasil.
Esta ausência está prestes a acabar. Entre 21 e 27 de outubro, uma sequência de atividades apresentará o filme e a diretora no Rio (21 a 24) e em São Paulo (25 a 27). A programação incluirá exibições, debates, entrevistas, contatos com organizações de resistência pacífica. Entre os organizadores estão, sintomaticamente, o Instituto de Cultura Árabe e o Centro de Cultura Judaica – além da Copacabana Filmes.
A resenha institucional do filme (em inglês) pode ser lida aqui. O documentário destaca um organizador de base palestino, Ayed Morrar, que “uniu membros do Fatah, do Hamas e apoiadores israelenses num movimento desarmado para salvar sua aldeia, Budrus, de ser destruída pelo Muro de Separação de Israel”. A luta, vitoriosa, deu-se em 2003. A sinopse frisa: “Muitos dos ativistas que se somaram aos moradores de Budrus continuam a apoiar ações de não-violência” na Palestina e em Israel. Continuar lendo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…