Pular para o conteúdo principal

1.º CICLO DE PALESTRAS “HUMBERTO BAITELLO”

1.º CICLO DE PALESTRAS “HUMBERTO BAITELLO”
Dias 31 de Outubro e 01 de Novembro de 2011

No dia 06 de novembro de 2010, perdemos não só um grande professor, mas um grande amigo, um grande pai, um grande filho. O Professor Humberto Baitello nos deixou numa dessas curvas que a vida tem e foi levar sua inteligência, simplicidade e acima de tudo humanidade, para outro plano. A nós, amigos e alunos, ficou a saudade de sua voz calma, de sua sabedoria e  seu jeito irreverente de ser.

O Curso de Comunicação Social presta essa justa homenagem a este grande intelectual organizando um ciclo de palestras para as turmas de Publicidade, Jornalismo e Relações Públicas, fomentando o pensamento crítico sobre a comunicação moderna e os rumos diante da pós-modernidade.

INSCRIÇÕES até o dia 31/10, na Coordenação com Prof.º Arnaldo Vieira: 10 Reais + 1 litro de leite UHT (Caixinha) doados às crianças do Projeto Mundo Novo - Jardim Paraíso, S.J. do Rio Preto-SP

Emissão de Certificado de 20 H/a de ATIVIDADES COMPLEMENTARES, para os inscritos.
Entrega dos Certificados ASSINADOS no dia 01/11

Programação:
DIA 31 DE OUTUBRO
- ANFITEATRO -
Palestra sobre Câmeras DLSR: “Fazendo cinema com Câmeras Fotográficas”
ANTONIO MENEZES JUNIOR (Helitt Films)
(Coordenação Prof.º Hunfrey Borges)

- AUDITÓRIO -
Palestra “Minha vida de faculdade ou O que aprendi na Unilago
com o ex-alunos do Curso de Comunicação:
DANILO VIEIRA (Fotógrafo Profissional)
GRIDÂNIA BRAITT (TV Record)
GUILHERME BAFFI (Jornal Diário da Região)
MARCELA CASTELLINI (Agencia Hoje.C)
NATALIA BENITES (Isamar – ICEC)
(Coordenação Prof.ªs Gianda Oliveira e Malú Simões)

DIA 01 DE NOVEMBRO
- ANFITEATRO -
Mesa Redonda: Tema – A Comunicação na Pós-Modernidade
Prof.º Dr. ALEXANDRE COSTA (Mediador)
Prof.ª Dra. SILVIA DAMACENA
Prof.º Esp. MARCELO QUEIROZ
Prof.º Esp. RENATO DIAS MARTINO
Prof.º Ms. LUCIANO ALVARENGA

- AUDITÓRIO -
Palestra: “O valor do Rádio como Mídia”
JOSÉ ANTONIO MASSICI (Band FM)
SANDRO POLETTO (FM Diário)
(Coordenação Prof.º Ed Mendonça)

Realização
COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL UNILAGO 2011

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…