Pular para o conteúdo principal

Tá frau

É curioso como a tecnologia se infiltra em...
Rafael Ribeiro
Eae curtiu?
É curioso como a tecnologia se infiltra em nossa vida.
Desde a roda, que está conosco desde 3500 a.C.
Até esta mais nova ferramenta: o Facebook.
Agora que temos o Face nós aprendemos a curtir as coisas. Tem gente que curte algumas fotos, outros curtem mesmo é compartilhar o que estão pensando e há quem curta o que os outros expressam.
Esses dias perguntei a um colega como foi o final de semana e ele me disse: curti.
Outro colega provou um salgado na padaria e manifestou: curti.
Pois bem, esse é o fenômeno da tecnologia. Uma tia esteve num velório e observou: as flores no caixão... Não sei... Não curti.
Antes do Face ninguém curtia. As coisas eram... Bacanas.
- Como foi a viagem?
- Bacana.
- E o hotel?
- Bacana.
Mas nem sempre as coisas foram bacanas.
Houve um tempo que tudo era legal.
- O que achou do vestido?
- Legal.
... Depois tudo melhorou e ficou legal pra caramba; legal pra caralho.
Me impressionava muito quando terminava uma apresentação musical - ainda descendo do palco - e chegava aquele cara entusiasmado me chamando. Abraçava, olhava nos meus olhos e expressava tudo aquilo que ele viu, ouviu e sentiu com a minha música: show de bola!
Mas isso não é nada.
As coisas já foram muito mais estranhas, muito loucas pra ser preciso.
- Você viu aquele carro novo? Muito loco!
Aliás, já ouvi adjetivos muito loucos.
Quando era garoto tinha uma coleção de bonés, e era unanimidade, todos diziam: sua coleção é da hora!
Eu era palmeirense fanático, tinha tudo do Palmeiras - era da hora.
Acredite: eu tinha camisas; bonés; agenda; caderno; mochila; até um relógio do Palmeiras - e o relógio era da hora.
Enfim, se você chegou neste parágrafo espero que tenha curtido.
Na verdade você pode ter achado frau; bicheira; sem noção; nada a ver; babaca; uer, mas fazer o que?
Relaxa, sem estresse, fica sussa, só de boa (comendo leitoa), tranquilo.
Eu to firme que nem prego na areia.
Certo? Sem problema?
Então falou, vo nessa. Vo sai fora, to vazano. Vo dá um giro no planeta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…