Pular para o conteúdo principal

Saúde Pública




SUS exige verba mas mídia vende tributação insuportável, diz Jatene
Em novo livro, diretor do Incor e ex-ministro da Saúde, Adib Jatene, diz que tecnologia impôs grandes mudanças à medicina em 40 anos. Frente a custos maiores e novo perfil epidemiológico do país, Sistema Único de Saúde precisa dobrar recursos. 'Esse é o grande problema', diz Jatene em entrevista exclusiva. 'Mídia faz população acreditar que carga tributária é insuportável.'
> LEIA MAIS | Política | 23/09/2011

'Túmulo' da CPMF, Senado recebe de volta 'abacaxi' da saúde
Câmara conclui votação de projeto que disciplina gastos estatais em saúde e rejeita imposto que cobriria parte da carência de R$ 45 bi. Tributo foi aprovado, mas 355 deputados tornaram cobrança impossível ao excluir base de cálculo. Ouvidos, governadores omitiram-se. Texto volta ao Senado. 'A partir de agora, senadores, o abacaxi passa para suas mãos', diz líder do PMDB.
> LEIA MAIS | Política | 21/09/2011

'Saúde pública precisa de mais recursos do que CSS poderia trazer'
Para o médico-cirurgião Nacime Salomão Mansur, superintendente da SPDM, uma organização social que gerencia 22 unidades de saúde em São Paulo, só proposta do senador Tião Viana (PT-AC), que fixa os gastos em saúde em 10% da receita corrente bruta, resolveria carência de recursos do setor. "Vergonhosamente, investimos per capita menos do que Argentina e Chile", disse ele à Carta Maior.
> LEIA MAIS | Direitos Humanos | 22/09/2011

Só no Brasil há saúde gratuita e universal mas gasto privado maior
Aos 21 anos, Sistema Único de Saúde (SUS) vive 'paradoxo'. É gratuito e aberto a todos mas tem menos dinheiro do que iniciativa privada gasta para atender menos gente. Em nenhum outro país é assim, segundo a OMS. Despesa estatal brasileira é um terço menor do que a média mundial. Para especialistas, SUS exige mais verba. 'Orçamento precisa dobrar', diz Adib Jatene.
> LEIA MAIS | Política | 19/09/2011

Carência financeira na saúde é consenso; solução tributária, não
Às vésperas da votação de projeto que disciplina gasto público em saúde, há consenso de que setor precisa de mais verba. Mas solução preferida pelo governo, a volta de imposto tipo CPMF, enfrenta resistências até de aliados. Para ex-ministro da Saúde, debate 'idelogizado' matou 'partido sanitário'. Mas ainda há defensores. 'Sou a favor de novo imposto', diz secretário paulistano.
> LEIA MAIS | Política | 19/09/2011

7° PIB, Brasil é 72° no ranking da OMS de gasto per capita em saúde
Invstimento público em saúde é de US$ 317 por brasileiro, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Líderes do ranking de 193 países, Noruega e Mônaco gastam 20 vezes mais. Na América do Sul, Brasil perde para Argentina, Uruguai e Chile. No G-20, é o 15°. Segundo ex-ministro Temporão, dado é 'dramático'. Para Dilma Rousseff, baixa despesa per capita justifica mais verba à saúde. Secretário paulistano apoia novo imposto.
> LEIA MAIS | Política | 14/09/2011

Saúde precisa de mais verba até para melhorar gestão, diz Temporão
Segundo José Gomes Temporão, ex-ministro da Saúde, reforço financeiro dos sistemas públicos está em debate no mundo todo. Avanço tecnológico e de expectativa de vida impõe alta de custos e exige novos recursos. Em entrevista à Carta Maior, Temporão defende subir taxação de cigarros e bebidas, condena 'aberração' brasileira de abater plásticas do IR e critica subsídio federal a convênio de servidor.
> LEIA MAIS | Política | 12/09/2011

A problemática do sistema de saúde argentino
O sistema de saúde argentino ficou debilitado quando, em 1993, o Banco Mundial recomendou aos governos o seu receituário neoliberal: privatização, descentralização, quotas de recuperação, programas de nutrição e de medicamentos essenciais. Após o caos de 2001, a era da reconstrução do sistema começou com Nestor Kirchner.
> LEIA MAIS | Direitos Humanos | 22/09/2011

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…