Pular para o conteúdo principal

Entrevista Valdomiro Lopes


Recintogate na Justiça Diário Da Região Consistente e rigorosa a ação civil movida pelo promotor de Justiça Carlos Romani contra o ex-secretário Moacyr Seródio, um ex-assessor e uma empresa por inúmeras irregularidades na administração dos recursos recebidos pela Secretaria de Agricultura de Rio Preto. Desde as primeiras denúncias publicadas com exclusividade pelo Diário, em novembro do ano passado, estava evidente que a pasta era administrada em total desconformidade com os princípios da legalidade, moralidade e impessoalidade que devem orientar as ações públicas. As licitações, preceito número um a ser observado na aquisição de serviços para administração pública, foram substituídas por “consultas informais”. A inobservância desse princípio básico permitiu que um tio do braço-direito de Seródio explorasse o estacionamento do Recinto de Exposições - o que caracterizou favorecimento, segundo o Ministério Público. Como assinala Romani em sua ação, o ex-secretário adotou uma “administração particular” sem se importar com os rigores que devem nortear a gestão de bens públicos. É impressionante o fato de R$ 408 mil arrecadados pela Agricultura, que necessariamente deveriam passar pelo caixa da Prefeitura, terem sido trancafiados dentro de um “cofre” - segundo o próprio Seródio - na secretaria. Absurdo dos absurdos, não havia controle algum sobre a proveniência e destinação desses mesmos recursos por parte do Tribunal de Contas, que é responsável pela fiscalização da aplicação de verbas públicas, e até mesmo da Prefeitura. Importante ressaltar que notas fiscais enviadas pela própria Prefeitura ao Ministério Público revelam gastos com cerveja, troféus e viagem, inclusive despesas pagas com cartão de crédito. O emprego do dinheiro ficava inteiramente à mercê do poder discricionário de Seródio, que não tinha obrigação de prestar contas de um centavo sequer a ninguém - uma autêntica antítese do princípio de probidade administrativa. Apesar de não ter sido abordado na ação do promotor de Justiça, é intrigante o fato de a Secretaria da Fazenda nunca ter sequer desconfiado da mixórdia que ocorria na Agricultura. Foram quase dois anos de total desrespeito a princípios constitucionais que passaram despercebidos para a pasta responsável pelo orçamento e guardiã dos cofres públicos municipais. Seródio, que não conseguiu convencer o Ministério Público, terá a oportunidade de responder na Justiça o porquê de tantas barbaridades cometidas em sua gestão na Agricultura. Uma coisa é certa: desmandos e arbitrariedades como essas não devem jamais ocorrer em uma administração séria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…