Pular para o conteúdo principal

Carta ao Sr. Prefeito de Rio Preto Valdomiro Lopes

MENTIRA, SENHOR PREFEITO!


Combater a corrupção no Brasil é tarefa difícil.
A impunidade, ainda vigente no país, a justiça morosa e advogados bem pagos contribuem de forma decisiva para esse lamentável quadro. Para expurgar esse fantasma é preciso manifestar-se, denunciar e combater! E foi assim que Rio Preto, através dos últimos acontecimentos populares, envolvendo estudantes e cidadãos comuns, deu uma verdadeira demonstração de cidadania e descontentamento geral.
Como é do conhecimento de todos, tudo começou com o chamado Pacotão de Horrores, quando nossos subservientes vereadores votaram projetos de reajuste salarial, aumento de cadeiras e recontratação dos apadrinhados do prefeito Valdomiro Lopes. Foi o estopim da revolta! Estudantes se uniram e organizaram o movimento #vergonhariopreto, motivo de orgulho para nossa cidade, e cujo último protesto culminou com o desfile de 7 de Setembro na avenida Bady Bassit, onde pudemos assistir o enterro político do prefeito e vereadores.
Tal como uma viola enfiada no saco, visivelmente desconcertado, Valdomiro teve a petulância de declarar que “quando jovem, na Revolução, eu também lutei para que isso fosse possível!” Mentira, senhor prefeito! Somos colegas de infância, nascidos no mesmo ano e aniversariantes do mesmo mês. Sempre na mesma sala de aula, passamos pelas mesmas escolas, até nos distanciarmos na adolescência, quando fui pra São Paulo fazer Jornalismo. Portanto, isso me credencia a desmenti-lo! Em nenhum momento o senhor protestou contra a Revolução, pelo contrário, seus pais sempre foram muito conservadores e simpatizantes, na época, da ARENA (Aliança Renovadora Nacional ), partido que dava sustentáculo ao regime militar. Filho único e obediente, o senhor sempre foi muito influenciado pelos seus progenitores, tanto que seus padrinhos políticos, Paulo Maluf e Maluly Netto, são arenistas da gema!

LUIZ EDUARDO KFOURI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…