Pular para o conteúdo principal

Vereadores que aprovaram o projeto dos 230 do Valdomiro sem projeto Lopes

Nome dos Vereadores que votaram SIM ao Projeto do Valdomiro Lopes  (230 comissionados)

Alessandra Trigo Alves (PSDB)  
Angelo Eduardo Piacenti (PPS)
Aparecido Carlos dos Santos (PTB)
Emanuel Pedro Tauyr (DEM)  
Gerson A.Furquim dos Santos (PP)  
Irineu Tadeu Caetano de Lima (PSDB)
Jabis Ediberto Busqueti (PTB)  
Jorge Abdanur Estephan (PSDB)  
Manoel Donizetti Conceição (PPS)  
Márcio Sansão (DEM)
Maurin Alves Ribeiro (PCdoB)  
Nelson Massomi Ohno (PSB)  
Walter Farath Júnior (PR)

Nome dos Vereadores que votaram NÃO ao Projeto do Valdomiro Lopes  (230 comissionados)

Marco Antonio Rillo (PT)  
Muhamad Alahmar Dinho (PSB)
Pedro Roberto Gomes (PSOL)
Sophia Lemes 16 de agosto de 2011 19:05
Nome dos Vereadores que votaram SIM ao Projeto do Valdomiro Lopes (230 comissionados)

Alessandra Trigo Alves (PSDB)
Angelo Eduardo Piacenti (PPS)
Aparecido Carlos dos Santos (PTB)
Emanuel Pedro Tauyr (DEM)
Gerson A.Furquim dos Santos (PP)
Irineu Tadeu Caetano de Lima (PSDB)
Jabis Ediberto Busqueti (PTB)
Jorge Abdanur Estephan (PSDB)
Manoel Donizetti Conceição (PPS)
Márcio Sansão (DEM)
Maurin Alves Ribeiro (PCdoB)
Nelson Massomi Ohno (PSB)
Walter Farath Júnior (PR)

Nome dos Vereadores que votaram NÃO ao Projeto do Valdomiro Lopes (230 comissionados)

Marco Antonio Rillo (PT)
Muhamad Alahmar Dinho (PSB)

Pedro Roberto Gomes (PSOL)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…

O queijo e os vermes

Luciano Alvarenga
O Brasil é hoje o maior consumidor de crack do mundo; o segundo maior consumidor de cocaína das Américas; o maior entreposto de tráfico internacional de entorpecentes do planeta. Essas marcas, alcançamos em apenas trinta anos; os mesmos trinta anos da democracia social-liberal de esquerda do PSDB/PT/MDB. Essa “nova” realidade é uma tragédia em si, mas não é a única. No lastro produzido pelo discurso esquerdizante de que bastam liberdade e distribuição de dinheiro do Estado pra que se consiga fundar um país novo, outra realidade se desenvolveu entre nós. A dos profissionais que transitam entre a legalidade e a ilegalidade, entre o honesto e o corrupto, entre o certo e o errado. E são esses profissionais, hábeis na “arte” de corromperem e serem ‘honestos’, os que mais se dão bem; isto é, ganham dinheiro, fama e reconhecimento social. Em praticamente todas as áreas de ação das profissões liberais, médicos, advogados, arquitetos, contadores, jornalistas e mais todos os outr…