Pular para o conteúdo principal

Câmara de Rio Preto

Editorial
 
São José do Rio Preto, 24 de Agosto, 2011 - 1:52
Pito do patrão


 
A pressão popular não foi suficiente. Foi preciso um pito do prefeito Valdomiro Lopes (PSB), conforme o Diário publicou ontem com exclusividade, para que os vereadores aliados desistissem do projeto que criava mais seis vagas na Câmara de Rio Preto. A lógica do Executivo - explicitada nas conversas do chefe de gabinete, Alex Carvalho, com os vereadores - era de que o último projeto remanescente do “Pacotão de Horrores” estava prejudicando não só a imagem da Câmara, mas do prefeito por tabela. Ordem dada, ordem cumprida. Poucos minutos após o esfrega dado por Alex, cinco dos seis vereadores que haviam assinado o aumento de cadeiras mandaram a proposta para o arquivo. Com isso, dos quatro projetos que formavam o “pacotão” - contratação de 230 apadrinhados, reajuste salarial para o prefeito, reajuste salarial para os vereadores e novas vagas na Câmara -, apenas um prosperou. Mais uma vez, o Legislativo age da maneira correta pelos motivos errados. Não há argumento razoável que justifique o aumento de cadeiras na Câmara. Tirando políticos e pré-candidatos a vereador, ninguém apoia esse aumento, e por um motivo muito simples: o custo-benefício de novos parlamentares não compensa. Os 17 que aí estão têm totais condições de representar a população rio-pretense - o que não significa, claro, que eles têm cumprido sem papel. Dizer que cinco ou seis vereadores trarão maior representatividade a uma população de 406 mil habitantes é debilidade argumentativa. Puro rococó retórico.

Voltando ao comportamento dos vereadores, era de se esperar que, após o show de cidadania estrelado pela população nas últimas sessões, eles viessem a público comunicar que o projeto de aumento de cadeiras não tinha condição alguma de prosperar - afinal, os verdadeiros patrões da Câmara haviam se posicionado contra a proposta. Mas não foi isso o que ocorreu. O recuo não foi um resposta honesta à manifestação popular, mas a uma exigência feita pelo prefeito que, teoricamente, não deveria interferir em um assunto que diz respeito ao funcionamento orgânico do Legislativo. O próprio Valdomiro, aliás, está mais preocupado com o desgaste que o tema pode trazer do que com a configuração da Câmara em si. Não há novidade na subserviência dos vereadores às vontades do Executivo - uma submissão que, diga-se de passagem, vem de outras administrações. A rejeição de três dos quatro projetos do “pacotão” foi uma conquista popular, sem dúvida. Melhor seria se o arquivamento das propostas fosse fruto de amadurecimento político da Câmara, e não de uma determinação da Prefeitura. Resgatar a harmonia e a independência entre os poderes, conforme prevê a Constituição, seria um belo presente do Legislativo para compensar o “Pacotão de Horrores” de triste memória.

Quer ler o jornal na íntegra? Acesse aqui o Diário da Região Digital

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…