Pular para o conteúdo principal

Você é contra ou a favor da exibição?


Filme censurado em vários países será atração de festival no Rio

Foto: Divulgação  
Filme do diretor estreante Srdjan Spasojevic mostra cenas polêmicas de pedofilia, necrofilia e incesto

por Jackie Salomao
Um filme que mistura o pior do pornô com terror psicológico. Poderia ser mais uma excentricidade de Lars von Trier, mas na verdade o longa mais polêmico do ano é de um diretor estreante da Sérvia: Srdjan Spasojevic. 'A Serbian Film: Terror sem Limites', chocou plateias pelo mundo e foi vetado em alguns países na Europa. Mas está liberado aqui no Brasil e deve ser muito comentado no RioFan, festival de cinema fantástico do Rio.
Desde seu lançamento, o filme chama atenção pelas fortes cenas de estupro, necrofilia e pedofilia. Na Espanha, o filme foi banido por 'ameaçar a liberdade sexual' e não participou da 21ª Semana de Cine Fantástico y Terror.
Também foi censurado no Reino Unido e liberado somente após 49 cortes. Na Alemanha, o laboratório que fez as cópias da película destruiu tudo após ver o conteúdo. Além disso, o diretor está sendo processado por exibição de pornografia infantil após uma denúncia de uma organização católica.
Mas o que afinal tem de tão chocante nesse filme? O longa é de uma violência explícita com cenas de incesto, necrofilia e pedofilia (um dos momentos mais polêmicos é o estupro de um recém-nascido). O personagem principal dessa história é um ator pornô em fim de carreira que topa participar de um 'filme de arte', mas é obrigado a participar um projeto exploratório com excentricidades sexuais.
Polêmicas à parte
Quem estrela o filme são os atores sérvios Srđan Todorović e Sergej Trifunović. O diretor disse ter ficado surpreso com o excesso de críticas ao filme e ressalta que "estamos no século 21". Segundo ele, estaria vivendo uma caça às bruxas porque alguém não gostou de um filme.
No Brasil, 'A Serbian Film' já foi visto em festivais em Porto Alegre e São Luís, além de ter sido um dos selecionados para o Festival Fantástico do Rio que acontecerá entre os dias 18 e 24 de julho. Ainda sem data de estreia no circuito comercial, o filme aguarda a classificação do Ministério da Justiça. http://mtv.uol.com.br/memo/filme-censurado-em-varios-paises-sera-atracao-de-festival-no-rio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…