Pular para o conteúdo principal

Só a pobreza evita o caos e a miséria salva a Terra

http://vermelhosnao.blogspot.com/2011/07/so-pobreza-evita-o-caos-e-miseria-salva.html

Vários sites disponibilizam as calculadoras para descobrirmos as nossas pegadas de carbono. Visto que não fazemos nada mais do que destruir diariamente a mãe Terra, segundo os fanáticos da seita ambientalista, fiz o cálculo em vários deles. Alguns são mais completos. Estes são alguns:
carbono zero
my footprint
wwf
governo britânico
Nem todos possuem os mesmos campos, portanto existem algumas divergências nos resultados.Considerei sempre uma família de 4 pessoas, sem automóvel, que utiliza ônibus, tem animal de estimação* e alimentação onívora. Para os que pedem quantidade foram 125 kw em eletricidade, o equivalente a um botijão de gás por mês e cerca de 10.000 km/ano em deslocamento familiar (trabalho/escola/lazer) e limitando os eletrodomésticos a 1 geladeira, 1 fogão, 2 televisões, 1 computador e 1 máquina de lavar roupa. Utilizando também as lâmpadas ecologicamente corretas, aquelas com mercúrio. Ia esquecendo, sem viagens aéreas! Comparando com a média americana seria menos de 1/5 dos gases emitidos por eles.

Segundo o wwf o consumo desta família que não chega a ser da nova classe média do lula precisaria de 2,01 planetas para sustentar o seu padrão. Alguns dão a resposta em toneladas e outros em árvores (estes são aqueles que querem te cobrar para reduzir a sua pegada). A média familiar ficou em cerca de 8 toneladas/ano.

Para salvar o planeta do aquecimento global, sem alterar o seu dia a dia, precisaria plantar anualmente árvores que ocupariam algo entre 400 e 530 metros quadrados. Um bosque em crescimento absorve entre 150 e 200 toneladas hectare/ano de carbono.

O mundo está chegando a 7 bilhões de habitantes. Se todos, de acordo com as calculadoras de pegadas, que utilizam os parâmetros das ongs ecológicas, governos e da famigerada onu, tivessem este consumo frugal, o mundo para zerar o efeito das emissões ganharia a cada novo ano no mínimo 700.000 km2 em florestas.

É uma coisa tão imbecil que não há o que dizer. Se a cada ano reflorestassem esta área não seria preciso esperar nem o terrorista aquecimento médio de 2º C do culto verdista para causar catástrofes, a grande maioria da humanidade estaria extinta pela fome antes de 2050. Pois ela teria que ocorrer nas áreas atualmente utilizadas.Cerca de 70% do território continental do planeta é ocupado por florestas, desertos, geleiras, rios, montanhas, etc.

* Os novos grandes vilões da sustentabilidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…