Pular para o conteúdo principal

Guru do calote

Lavagna pede limites ao sistema financeiro

da Folha.com
LUCAS FERRAZ
DE BUENOS AIRES
Ex-ministro da Economia responsável por administrar a moratória da Argentina em 2001, Roberto Lavagna, 69, lamenta que o sistema financeiro internacional continue desregulado e servindo de combustível a crises como a da zona do euro.
"O setor financeiro está totalmente fora de controle e se converteu em um ator político tão forte que, em vez de corrigir os problemas, impede a aplicação de medidas corretivas", afirma.
Lavagna tornou-se uma espécie de "guru do calote" e é convidado cada vez mais para conferências na Europa.
Em maio do ano passado, em artigo publicado no jornal francês "Les Echos", o economista previu o descaminho grego relacionando-o com a crise argentina.

"Mas, ao contrário da Argentina, isolada num Mercosul sem força para atuar nessas situações, Grécia integra um dos blocos mais poderosos do mundo e tem outra capacidade de reagir", afirma.
Ele acaba de lançar o livro "Trece Meses Cruciales en la História Argentina", em que narra seu trabalho no Ministério da Economia durante a grave crise econômica.
A seguir, trechos de sua entrevista à Folha.
*
Folha - A Europa não olhou para o exemplo argentino ou as crises são incomparáveis?
Roberto Lavagna - Algumas coisas, especificamente na Grécia, são muito parecidas com a Argentina. Os deficits fiscal e em conta corrente, a moeda que não contempla a produtividade média, a recessão, além de uma dívida alta em relação ao PIB.
Distinto é o plano institucional. A Argentina era um país isolado, dentro de um Mercosul sem capacidade de atuar em situações desse tipo. A Grécia integra um dos conjuntos econômicos e políticos mais estruturados no mundo. Essa é uma grande diferença. A outra é que a divida grega, que chega a 90% do PIB, está emitida em moeda nacional, em euro.
E qual é a vantagem disso?
Aplica-se a legislação nacional. A Argentina tinha uma dívida emitida em oito legislações e em oito moedas diferentes. O processo foi infinitamente mais complexo. A situação social da Grécia também é muito melhor.
O calote grego é inevitável?
O [segundo] pacote tem reestruturado a dívida. Ainda há dúvidas, mas o enfoque agora é distinto, não simplesmente de que a Grécia é a culpada e tem que se ajustar. Agora o enfoque é sistêmico.
A Grécia foi o bode expiatório?
Sim. A Argentina sabe disso muito bem -o país era culpado enquanto as responsabilidades também eram do sistema financeiro, do FMI e de outros. É muito similar.
E em relação à dívida dos EUA, há algum ponto em comum?
Nesse caso o problema é basicamente de ordem política, mas há coisas para corrigir. Os EUA precisam controlar sua dívida. Um ponto comum entre Europa e EUA é que nenhum deles foi capaz de impor limites ao funcionamento do sistema financeiro.
Impor limites ao setor financeiro resolveria a crise?
Não, mas ajuda para que ela não se repita. Sem resolver isso veremos novos problemas em outros países. Nos últimos 15 anos tivemos crise no México (1995), Rússia (1998), Brasil e sudeste asiático (1999), Argentina (2001).
A causa é um sistema financeiro que se converteu em um ator político tão forte que, em vez de corrigir os problemas, impede a aplicação de medidas corretivas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…