Pular para o conteúdo principal

Corea do Sul e o que será de nós

Na Coreia do Sul, a era da educação digital

Na escola digital, nenhuma tarefa deixada para trás
Do jornal sul coreano Korea Joongang Daily
June 30, 2011
Os estudantes [sul coreanos] gastam cada vez mais tempo de suas vidas online nos dias de hoje, jogando jogos ou interagindo com amigos (e estranhos). O próximo passo será um pouco menos divertido: fazer tarefa e estudar online.
O Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia disse ontem que vai investir 2,2 trilhões de won (U$ 2 bilhões) no projeto “Educação Inteligente”, que nos próximos quatro anos vai digitalizar a maior parte do sistema educacional, inclusive com a adoção de livros didáticos digitais.
“Os estudantes coreanos foram classificados em primeiro lugar em termos de educação digital entre os países desenvolvidos, de acordo com o Programa para Avaliação Internacional de Estudantes da OECD”, disse uma autoridade do Ministério da Educação. “É por isso que os estudantes coreanos, que já estão totalmente preparados para uma sociedade digital, precisam de uma mudança de paradigma na educação”.
Digitalizar os livros didáticos significa colocar o conteúdo online, para ser acessado por vários tipos de computador, especialmente os aparelhos móveis.
“Vamos trabalhar com o presidente do Conselho de Estratégia de Informatização para fazer os livros didáticos digitais. Eles serão acessados por computadores e aparelhos como o iPad, tablete Galaxy e pela TV inteligente”, disse a autoridade.
A mudança deverá transformar drasticamente o cenário nas escolas. Os estudantes não irão mais às classes com mochilas cheias de livros. Precisarão apenas de um aparelho, seja um smartphone ou tablete.
De acordo com a Comissão de Comunicações da Coreia [do Sul], o número de usuários de smartphones no país vai chegar a 20 milhões no final deste ano. O governo da cidade de Seul espera que os smart gadgets cheguem a 80% dos residentes da capital até 2015.
De acordo com o ministério da Educação, redes wireless  e um sistema de cloud computing serão instalados em todas as escolas até 2015. Todos os professores vão receber smart gadgets, o que exigirá até 1,2 trilhão de won do orçamento.
O cloud computing é um sistema no qual o software e os dados ficam guardados em um servidor e podem ser acessados por computadores e aparelhos móveis. Os estudantes poderão acessar livros didáticos e tarefas e arquivar seus relatórios e deveres de casa na “nuvem”.
O ministério disse que os livros digitais serão muito mais baratos que as versões impressas. Analistas dizem que a “educação inteligente” vai ajudar especialmente a grupos isolados de estudantes, inclusive os portadores de deficiências.
“Ao colocar tecnologia de última geração na educação, o setor será revitalizado, criando empregos também na indústria de IT”, disse a autoridade do Ministério da Educação.
By Yim Seung-hye [sharon@joongang.co.kr]
PS do Viomundo: A Coreia do Sul é aquele país em que a população terá acesso, no ano que vem, a conexões de banda larga de 1 Gbps. Segundo a OECD, é o país em que o internauta paga em média 38 dólares mensais por uma conexão de 100 mbps. É o país que investiu 24 bilhões de dólares no backbone que conecta todas as instalações do governo e outras instituições públicas. Enquanto isso, num certo país tropical, é torcer para que a Telefonica coloque a soberania nacional e o interesse público acima do lucro [pausa para as gargalhadas].

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…