Pular para o conteúdo principal

Minhas férias estão mais caras antes mesmo de pôr o pé na estrada

O previsível jogo de Saulo Abreu com o pedágio

No dia 7 de janeiro, no post "O jogo com os pedágios paulistas" escrevi o seguinte:

O jogo com os pedágios paulistas

A primeira declaração do novo Secretário dos Transportes de São Paulo, Saulo de Castro Abreu, foi a de que iria rever a questão dos pedágios. Agora, jogam esse balão de ensaio, mostrando de quanto poderia (repito: poderia) ser a redução dos lucros das concessionárias.
É evidente que não vão rever. Estão apenas chamando as concessionárias para conversar e definindo o ponto de partida da conversa.
Em São Paulo 2014 começa agora, pelas concessões rodoviárias e setor elétrico.
É um jogo tão óbvio que causa até sono.
A matéria comentada dizia que Saulo iria rever o IGP-M nos contratos firmados em 1998. Era conversa. Manteve o mesmo IGP-M.
Saiu agora no Valor
Governo de SP autoriza reajuste do pedágio da Imigrantes para R$ 20,10 
Fernando Taquari | Valor
27/06/2011 19:30
Texto:-A +A
Robson Ventura/Folhapress
SÃO PAULO - O governo paulista anunciou hoje novos valores para os pedágios de rodovias privatizadas no Estado. As tarifas reajustadas passam a valer a partir do dia 1º de julho.

Ao reajustar os pedágios, o governo utilizou dois indexadores. As praças com concessões assinadas entre 1998 e 2000 tiveram um aumento de 9,77%. A base do reajuste foi o Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M).

Nesse caso, se enquadram rodovias como Anhanguera, Bandeirantes, Castello Branco, Anchieta, Imigrantes, Washington Luís e um trecho da Raposo Tavares. Com isso, o pedágio da Imigrantes, o mais caro do Estado, passa de R$ 18,50 para R$ 20,10. 

Já os pedágios das concessões assinadas entre 2008 e 2010 registraram um crescimento de 6,55%, baseado no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Este indicador será aplicado nas rodovias Dom Pedro I, Carvalho Pinto, Ayrton Senna, Marechal Rondon e um trecho da Raposo Tavares.

Segundo o governo paulista, em 2012, as tarifas no Estado passam a ser reajustadas exclusivamente pelo IPCA, assim como ocorre nas rodovias federais. A troca permite que os reajustes sejam feitos com índices menos elevados.
(Fernando Taquari | Valor)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…