Pular para o conteúdo principal

A maconha atrapalha o mercado do tráfico


Segue o movimento pela descriminação da maconha levado a cabo por muitas pessoas sendo a mais proeminente delas o ex-presidente FHC.
Entendo que FHC esteja nessa causa, é interessante para ele que não depende mais de votos estar a frente de um movimento. Mas acho que ele poderia ter escolhido algo mais moderno, mais premente, não me parece uma causa do tamanho do FHC.
É claro que o flagelo das drogas é crucial e importante, mas FHC poderia ter se levantado em prol da educação por exemplo, é muito mais fundamental por que teria como conseqüência uma mudança na relação dos jovens com as drogas.
Agora por que de repente essa luta internacional, especialmente na América latina e estados unidos pela descriminação da maconha? Já disse aqui que descriminar a maconha não muda nada no quadro trágico da violência urbana e do tráfico.
Aliás, a descriminação da maconha é o primeiro passo para a legalização da erva e provavelmente o seu cultivo por empresas, cervejarias?, “compre uma cerva e leve um baseado”.
A maconha é contraproducente para a logística do tráfico. Maconha é muito volumosa, dá muito trabalho transportar e rende financeiramente muito pouco. Por ser leve e volumosa ocupa muito espaço, atrapalha a logística de outras drogas mais caras e de maior rendimento financeiro como a cocaína.
Tirar a maconha do mercado negro da droga vai ajudar muito o tráfico que poderá se dedicar as drogas de maior rendimento. Aliás, o crake e o oxi estão ai para serem vendidos aos antigos usuários de maconha.
Aqui é que está a questão irônica, talvez o tráfico de drogas seja o maior interessado em que liberar a maconha.
Quem assistiu o tropa de elite 2 deve estar entendendo o que digo. Os donos do tráfico mundial de drogas não moram nos morros, moram nos palácios e condomínios da vida.

Comentários

MESTRE MUKA disse…
Caríssimo professor Luciano, se já vendemos cigarro e bebidas para menores, e estes menores a cada dia tem mais cara e corpo de gente grande, imagina o caos que queria, a maioria andando, dirigindo, assistindo aula, "drogados", "passados". Não haveria hora, nem lugar, e nem um significado pra isso, simplesmente seria para aliviar o stress do trabalho ( na hora do trabalho ) como é o cigarro hoje. Ou para aliviar a tensão da aula ( na hora da aula ), infelizmente nem todos tem a capacidade, o significado e o autocontrole(usar nas horas adequadas onde não se atrapalhe o direito do próximo) para usarmos a erva.
Concordo plenamente, teríamos mais traficantes de drogas pesadas, por que são elas que dão dinheiro hoje. Caos! A onde vamos parar?

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…