Pular para o conteúdo principal

Familia infeliz

Adesivos ''família infeliz'' já ganham bancas e carros

Com alusões a vícios ou a parentes que o motorista não vai querer colocar na traseira do carro, os acessórios costumam render risadas

Denize Guedes - O Estado de S.Paulo
A paulistana Camila Trevisan Foti, de 30 anos, não havia sido pega pela febre dos adesivos que representam famílias felizes - moda na traseira dos carros da cidade. Mas, no mês passado, se deparou com um adesivo que achou a sua cara. Nele, um homem alegre aparece segurando um copo e de mão dada para uma garrafa de cerveja, que, por sua vez, está de mão dada para uma mulher com ar de pouquíssimos amigos.
Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE
Cerveja. Camila e os adesivos que considera a sua cara: pelo retrovisor, ela se diverte com a reação bem-humorada das outras pessoas
"É bem a cara que eu faço. Meu marido bebe toda vez que sai", diz, rindo da situação. Feliz com sua família, a analista de crédito ainda colou uma garotinha ao lado da figura feminina para representar a filha. "Pelo retrovisor, vejo as pessoas rindo e falando do meu adesivo", diverte-se.
Por R$ 2,50, o decalque é vendido como lançamento em bancas de revistas de São Paulo. "Quis fazer brincadeira, não uma apologia à bebida", diz o autor Jorge Antônio Vieira, de 50 anos, que fornece os adesivos. Ele admite que a inspiração veio de um desenho que circula na internet.
É também da internet que vêm outros adesivos que ironizam os bonequinhos felizes. Em geral, são feitos por quem critica o excesso de felicidade pública atual. "O uso é um exagero, as pessoas não precisariam mostrar na traseira do carro se namoram, têm filhos e animais ", diz o publicitário gaúcho Diego Emerick, de 27 anos. Com o sócio Matias Lucena, ele criou uma linha de parentes nada felizes e a divulgou em seu twitter (@diego_emerick). São seis personagens. "Um pai suicida, uma mãe viciada, um jovem paralítico, uma adolescente grávida, um velho tarado e um cachorro morto."
Origem - E quem criou os integrantes da família feliz, o que pensa dessa "tristeza" toda? Dois empresários reivindicam a autoria. O catarinense Rogério Manoel Raulino, de 46 anos, da Serigel Adesivos, diz ter tido a ideia há quase cinco anos. Já o paulistano Germano Spadini, de 31, da Job Adesivos, conta ter lançado a moda há dois anos.
Os dois acreditam que a sátira é válida, se for saudável. "Se é desagradável, não aprovo", diz Raulino.
Já Spadini - que criou versões de guarda-costas da família em resposta a críticas de que os decalques dão informações a bandidos - acha as variações sadias "se não dizem respeito a uma pessoa em especial".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…