Pular para o conteúdo principal

Bancos "socialmente responsáveis": marketing e realidade

Enviado por Alba Lucis

Bancos "socialmente responsáveis": marketing e realidade

Pesquisa do IDEC revela: prática das maiores instituições financeiras do país, que procuram se apresentar como sustentáveis, está a anos-luz do discurso
A emergência do conceito de “responsabilidade social” das empresas, e sua rápida penetração no mundo da política e das relações sociais, é um avanço notável. Significa que as sociedades estão questionando, na prática, uma das idéias centrais do capitalismo: a de que o interesse egoísta é o motor principal da riqueza e da felicidade coletivas. Esta mudança cultural tem efeitos práticos evidentes: ela potencializa as ações da sociedade civil para resistir às ações predatórias do capital e para construir novas lógicas e relações.
Exatamente por isso, é muito importante separar o joio do trigo. Como o conceito de “responsabilidade social” empresarial é, ao mesmo tempo, recente e charmoso, há sempre o risco de que seja apropriado. Corporações interessadas em projetar imagem positiva, e com amplo acesso à mídia, podem alegar que são socialmente responsáveis, para desviar a atenção da opinião pública sobre suas práticas condenáveis.
A julgar por um trabalho de envergadura, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC), há uma semana, este parece ser o caso do setor financeiro, no Brasil. Criticado há muito por constituírem cartel, abocanharem parte importante da riqueza pública (via juros da dívida pública) e cobrarem, na concessão de crédito a clientes, taxas de juros típicas de agiotagem, o setor adotado a estratégia de associar sua imagem à responsabilidade social — em especial a proteção à natureza e a mobilização contra o aquecimento global. Quase todos os grandes bancos veicularam maciçamente, nos últimos meses, campanhas publicitárias caríssimas, coincidentemente com o mesmo sentido. O cartel, ao que parece, também atua em conjunto na construção de imagem.
Mesmo que os bancos respeitassem o ambiente, já seria tentativa de iludir os cidadãos: cuidar da natureza é álibi para a devastar o patrimônio dos contribuintes e dos consumidores. Mas o que o IDEC mostra, com base num vasto levantamento, é que, além de ilusória, a propaganda é enganosa. Ao avaliar (numa escala de um a cinco) as práticas trabalhistas, ambientais e de respeito ao consumidor das oito instituições financeiras com mais de um milhão de clientes no país (em ordem alfabética, ABN Amro Real, Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Santander e Unibanco), o IDEC atribui-lhes “notas” que oscilam entre 1,51 (tenebrosos 3,02, numa escala de um a dez) e 2,75 (medíocres 5,5, de um a dez). O ranking é o seguinte:
ABN Anro Real: 2,75
Bradesco: 2,60
Itaú: 2,41
Banco do Brasil: 2,21
Caixa Federal: 1,93
HSBC: 1,73
Santander: 1,51
Unibanco: 1,51
O relatório completo (104 páginas, formato pdf) pode ser baixado aqui. Observação sugestiva: uma pesquisa nas páginas brasileiras do Google levava a crer, até a noite de domingo, que nenhum dos jornais brasileiros de maior circulação havia noticiado algo a respeito do estudo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…